in

Caso Gael: polícia indica se tia-avó teve participação na morte do menino de 3 anos

Gael chegou a ser socorrido, mas acabou não resistindo aos ferimentos e teve morte confirmada.

G1

O caso de morte do menino Gael de Freitas Nunes, de 3 anos, segue sendo investigado pela Polícia Civil de São Paulo. O garoto foi encontrado ferido no apartamento em que residia com a família no bairro Bela Vista, região central de São Paulo, na última segunda-feira (10). Socorrido até a Santa Casa, ele acabou não resistindo e teve morte decretada.

Publicidade

A principal suspeita da ação que vitimou o garoto é a própria mãe dele, Andréia de Freitas Oliveira, de 37 anos. A mulher, que tem histórico de distúrbios psicológicos, foi presa em flagrante e se encontra detida na unidade prisional feminina de Tremembé. Ontem (11), a Justiça decretou a conversão da prisão dela de flagrante para preventiva. 

Sem ajuda 

Segundo a Polícia Civil, as investigações iniciais dão conta que não há nenhum indício de que Maria Nanete Freitas, a tia-avó de Gael, tenha participado da morte do menino no apartamento.

Publicidade

Em entrevista ao programa “Brasil Urgente”, da Bandeirantes, a delegada Vanessa Guimarães disse que não há dúvidas de que Andréia agiu por conta própria. 

Publicidade

“Até aqui a investigação apurou que a Andreia agiu sozinha, estava sozinha na cozinha com a criança, enquanto a tia-avá se encontrava na sala e ouviu os barulhos (das agressões). Não há indícios de que a tia-avó teria agredido a criança, ela não tem marcas no corpo”, pontuou a delegada. 

Publicidade

A tia-avó já prestou depoimento no inquérito que apura a morte de Gael e trouxe detalhes de como encontrou o menino caído na cozinha. Na oitiva, a mulher relatou ter ouvido dois barulhos, mas acreditava que se tratava de uma situação no apartamento vizinho. Não há previsão de Maria Nanete depor novamente. Para a delegada, as provas colhidas até o momento são contundentes contra Andréia de Freitas, que foi autuada por homicídio qualificado com teor cruel. 

No apartamento onde Gael morava residiam além da tia-avó e a mãe, a irmã dele, somente por parte de materna, uma adolescente de 13 anos. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade