in

Professora detalha cena de terror durante ataque a creche e como foi encontrar as vítimas: ‘A pior das minhas visões’

Ataque cometido em escola infantil no Oeste Catarinense comoveu o país no início da semana.

O Globo

Desespero, medo e pânico. Estes foram alguns dos sentimentos vivenciados por funcionários e crianças que estavam no interior da Escola Pró-Infantil Aquarela, na cidade de Saudades, no Oeste. A unidade foi atacada na última terça-feira (4) por um jovem de 18 anos, que em posse de um facão, vitimou cinco pessoas e deixou outro bebê ferido.

Publicidade

Funcionária da escola infantil, a professora Larissa Menegotto estava na local trabalhando no momento do ataque e foi a primeira pessoa e pedir socorro para o Corpo de Bombeiros. 

Fabiano Kipper Mai chegou na creche de bicicleta armado e disposto a fazer um ataque brutal. Calmo, ele fez a primeira vítima logo na chegada da creche, a professora Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos. Na sequência, a vítima gritou e correu para uma das salas. As outras professoras conseguiram trancar as portas dos outros locais, mas a agente educacional, Mirla Renner, acabou sendo ferida, juntamente com outras quatro crianças menores de 2 anos. 

Publicidade

Cenário de terror

Em entrevista ao portal G1, Larissa conta que o assassino chegou a vê-la no interior da escola enquanto ela buscava socorro. Feito isso, ela retornou para a creche, quando homens tentaram conter o jovem, e se deparou com as amigas e os bebês mortos. 

Publicidade

“Quando saí portão afora, a primeira coisa que fiz foi ligar para o 193. Quando ouvi os gritos dos homens que entraram para contê-lo [autor], a primeira coisa que fiz foi correr até a sala para ver eles, onde tive a pior das minhas visões”, desabafou a professora. 

Publicidade

Bebê segue internado

Único sobrevivente entre as vítimas atacadas com golpes de facão, o pequeno Henryque, de 1 ano e 8 meses permanece internado no Hospital da Criança. Apesar do quadro estável, ele não tem previsão de receber alta médica. O bebê foi ferido na bochecha, lábios, e também teve um dos pulmões perfurados, sendo socorrido às pressas por uma funcionária da escola e o pai dela, em estado grave.

Publicidade
Publicidade
Publicidade