in

Líder do MST diz que invasões pararam por medo do governo Bolsonaro

Quatro milhões de famílias brasileiras continuam vivendo sem terra, denuncia o líder do Movimento.

João Pedro Stedile Foto/Verena Glass

João Pedro Stédile, líder do Movimento Sem Terra (MST) assumiu que sua organização não está ocupando terras por medo. Segundo o líder do MST, o Brasil tem mais de quatro milhões de famílias sem terra. Porém, por medo do Governo de Bolsonaro, as pessoas se veem quase que obrigadas a pararem sua luta. Stédile compara essa situação com a falta de greves nas cidades, entre os operários. 

Publicidade

Líder do Movimento Sem Terra pede saída de Bolsonaro

“Acho que o necessário para sairmos deste calvário é afastar logo o Bolsonaro, salvar vidas e ajudar as pequenas empresas”, falou João Pedro Stédile, em declarações a Folha de São Paulo. O líder do MST afirmou mesmo que sua organização já está se juntando na campanha para apoiar Lula. Para o movimento, uma reeleição de Lula seria bem melhor do que a governação atual, acredita Stédile.

O líder do MST se posiciona totalmente do lado de Lula, acusando a “burguesia” de ter levado Bolsonaro para a Presidência do país. Stédile acredita que esse Governo atual tem prejudicado muito a organização dos sem-terra. Por outro lado, ele lamenta também que o presidente da República continue se felicitando por não estar tendo mais ocupação de terras rurais. Stédile falou que isso não mostra que o problema está resolvido. Apenas está sendo adiado e que, na raiz do problema, continua tudo errado.

Publicidade

Problema dos Sem Terra persiste no Brasil

“Quando você não resolve um problema social, não significa que ele desapareceu. O capitão insano que está aí vive dizendo: ‘Viu como não tem mais ocupação?’. Mas não significa que não há mais sem-terra. Ainda existem no Brasil 4 milhões de famílias no campo que gostariam de ter terra”, falou o líder do MST.

Publicidade

João Pedro Stédile lamenta toda essa opressão da parte do Governo de Bolsonaro. “As pessoas não são loucas de fazer ocupação, de virar bucha de canhão para a polícia, para esses insanos que estão aí. A luta para a massa camponesa está difícil. Assim como para o operário da cidade está difícil fazer greve”, explicou o líder do Movimento Sem Terra, em declarações para a Folha de São Paulo.

Publicidade

Publicidade
Publicidade