in

Pais de jovem que matou 5 pessoas em creche estão desolados: ‘pessoas simples, estão realmente bem abaladas’

Fabiano entrou na escola de ensino infantil na manhã da última terça (4) e provocou cenário de terror.

Divulgação - NSC

O crime bárbaro cometido pelo jovem Fabiano Kipper Mai, de 18 anos, em uma escola do ensino infantil de Saudades (SC), na última terça-feira (4), deixou o país perplexo e causou uma forte onda de comoção. Disposto a matar, o adolescente invadiu as dependências da unidade com um facão e ceifou a vida de cinco pessoas, sendo três delas bebês com menos de 2 anos. 

Publicidade

Após executar a ação bárbara, Fabiano tentou tirar a própria vida se golpeando com a própria arma do crime. Apesar do intenso sangramento e de ter deixado o local em estado gravíssimo, ele vem apresentando uma recuperação significativa. Segundo o último boletim enviado pelo Hospital Regional de Chapecó, ele não corre mais risco de vida, mas não tem previsão de alta. 

Abalados

Responsável pela defesa do adolescente, o advogado Kleber dos Passos Jardim concedeu entrevista ao portal “ClicRDC” e revelou que a mãe e pai do assassino estão abatidos com o crime bárbaro provocado pelo filho. 

Publicidade

“O pai e a mãe estavam sem condições, mas eu falei com o tio dele. O tio dele é quem está tomando a frente. O pai e a mãe dele são analfabetos, são pessoas simples, estão realmente bem abaladas, tanto pelas vítimas, quanto o próprio filho, porque eles praticamente perderam o filho, eles não sabem o que vai acontecer”, disse o advogado, relatando ainda que vem recebendo informações pelo tio do adolescente. 

Publicidade

A defesa deve pedir em breve um exame de sanidade mental para traçar o perfil do jovem de 18 anos. 

Publicidade

Frieza

De acordo com socorristas do Corpo de Bombeiros que atenderam Fabiano minutos após a chacina bárbara, o jovem, mesmo bastante ferido, questionou quantas pessoas tinha matado na creche. Por conta do risco de linchamento, o assassino foi transferido do Hospital de Pinhalzinho para Chapecó, ainda na última terça-feira (4).

Publicidade