in

Jovem que cometeu ataque brutal em escola fez questionamento frio enquanto era socorrido: ‘Matei cinco, né?’

Adolescente se encontra intubado e sedado após tentar tirar a própria vida na sequência de chacina em creche catarinense.

NSC

O ataque cometido pelo jovem Fabiano Kipper Mai, de 18 anos, contra a Escola Pró-Infantil Aquarela, em Saudades (SC), na manhã da última terça-feira (4) provocou uma grande comoção nacional. Disposto a matar, o adolescente invadiu a unidade escolar armado com um facão e ceifou a vida de cinco pessoas – três crianças, todas menores de 2 anos, uma professora e uma auxiliar que trabalhava no local.

Publicidade

Após executar o massacre brutal, ele tentou tirar a própria vida com a arma do crime, e foi socorrido em estado grava para um hospital da região. De acordo com informações do portal NSC, enquanto estava na ambulância, Fabiano questionou a equipe que prestava atendimento a ele: “Matei cinco, né?”, indagou o jovem de maneira fria. 

Inicialmente, o assassino foi levado para o Hospital de Pinhalzinho, mas diante do risco iminente de uma possível invasão na unidade para linchamento do suspeito, ele foi transferido para o Hospital Regional do Oeste, situado em Chapecó, município vizinho a cidade de Saudades. 

Publicidade

Vítimas

As vítimas do trágico acidente foram a professora Keli Adriane Anieceviski, de 30 anos, a agende educativa, Mirla Renner, de 20 anos, e outras três crianças, todas menores de 2 anos: Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses, Anna Bela Fernandes de Barros, 1 ano e 8 meses, e Murilo Missing, 1 ano e 9 meses. 

Publicidade

Frieza

De acordo com informações do delegado responsável pelo caso, Jeronimo Marçal Ferreira, da cidade de Pinhalzinho, Fabiano chegou na unidade escolar em uma bicicleta. Ele portava uma mochila, com um facão e uma faca, não utilizada na ação, e explosivos de pequena proporção. 

Publicidade

Desesperadas com o ataque, professoras se trancaram com as crianças dentro das salas. Uma parte das crianças foi levada para o fraldário no intuito de evitar uma chacina ainda maior. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade