in

Caso Henry: Monique desabafa sobre vida na prisão, cita ameaça de morte e faz novas acusações a Jairinho

Em matéria exclusiva exibida pelo Fantástico, novos depoimentos de Monique foram divulgados.

Rede Globo | Montagem Ingrid Machado

No programa Fantástico exibido neste domingo (2), novos detalhes sobre o caso da morte do menino Henry Borel vieram à tona. Os novos advogados de Monique concederam entrevista e afirmaram que a cliente precisou escrever uma carta de próprio punho porque não foi ouvida novamente pela polícia.

Publicidade

No primeiro depoimento, Monique saiu em defesa do namorado, Jairo Souza. A professora mentiu para a polícia afirmando que o vereador e o filho viviam em harmonia. Após ser presa, a mãe de Henry revelou que foi coagida por Jairinho em seu primeiro depoimento à polícia e afirmou que o namorado sempre apresentou comportamento violento.

Leniel Borel, pai do menino Henry, também se manifestou sobre a nova versão da ex-mulher e disse não acreditar que ela desconhecia as agressões ao filho. Monique segue presa por suspeita de homicídio duplamente qualificado e por atrapalhar as investigações da polícia.

Publicidade

De dentro da prisão, a professora tem se comunicado com os advogados através de cartas. Em um dos documentos, Monique falou sobre sua vida na prisão e afirmou que vem recebendo ameaças de outras detentas. “Eu estou sendo apedrejada na cadeia! Todos os dias elas gritam dizendo que vou morrer e que irão me matar”, desabafou a mãe de Henry.

Publicidade

Em uma das cartas, Monique ainda narrou um episódio em que foi xingada por Jairinho após uma crise de ciúmes. A professora afirmou que o vereador ficou com ciúmes de um entregador de aplicativo que foi até o condomínio do casal e garantiu que iria contratar pessoas para agredi-lo. Jairo Souza também segue preso sob suspeita de homicídio.

Publicidade
Publicidade
Publicidade