in

Caso Henry: Monique Medeiros recebe alta médica e volta a ser isolada na prisão; Jairinho segue em cela comum

O período de prisão temporária do casal termina no próximo 7 de maio; até lá a polícia corre para terminar o inquérito.

REPRODUÇÃO / O GLOBO

Monique Medeiros, mãe do garoto Henry Borel que foi morto aos 4 anos, recebeu alta do Hospital Penitenciário Hamilton Agostinho, em Bangu, onde estava internada desde o dia 19 de abril, quando foi diagnosticada com Covid-19 e passou a tratar a doença na unidade de saúde do sistema penitenciário. Já recuperada, a professora foi transferida novamente para o Instituto Penal Ismael Sirieiro, em Niterói, onde ficará isolada seguindo os protocolos sanitários que foram criados por conta da pandemia.

Publicidade

A mãe de Henry foi diagnosticada com covid após fazer o exame no Ismael Sirieiro, local onde cumpria sua prisão temporária desde o dia 8 de abril. No dia 21 de abril, a professora realizou uma tomografia computadorizada que confirmou que ela estava com 5% dos pulmões comprometidos pela doença. 

Monique foi presa juntamente com sem companheiro, o vereador do Rio de Janeiro Dr. Jairinho acusados pelo crime de homicídio duplamente qualificado, e também por tortura sem a possibilidade de defesa do garoto Henry Borel.

Publicidade

Jairinho deixou o isolamento no dia 29 de abril e agora divide uma cela com outros detentos no complexo conhecido como Bangu 8. O vereador também cumpriu um isolamento de 14 dias, no entanto, ele precisou deixar a unidade para ter atendimento médico e esse período acabou sendo zerado. Após outros 14 dias, o parlamentar enfim foi transferido para uma cela comum. 

Publicidade

A prisão temporária de Monique Medeiros e Jairinho vai até o próximo 07 de maio. Até essa data, a polícia espera ter concluído o inquérito que investiga a morte do garoto.

Publicidade

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Jean Marangoni

Influenciador digital responsável pelas páginas 'Mussum Sinceris' nas redes sociais, trabalho também com jornalismo online há 3 anos. Para sugestões entre em contato: jeanmarangoni@gmail.com