in

Menina morta por mãe e madrasta sofria rotina de tortura em quarto: ‘Apenas poderia sair para defecar’

A promotoria do Rio de Janeiro descobriu informações sobre os último dias de vida de Ketelen Vitoria.

Jornal Extra | Divulgação

O caso da morte da menina Ketelen Vitoria segue ganhando novos desdobramentos. De acordo com o Jornal Extra, a menina foi morta pela mãe e pela madrasta após ser torturada por semanas na cidade de Porto Real, interior do Rio de Janeiro. Segundo a polícia, a criança foi espancada após tomar um pouco de leite sem autorização.

Publicidade

Gilmara Oliveira de Farias, mãe da criança e Brena Luane Barbosa Nunes, namorada de Gilmara, se conheceram pela internet e foram morar juntas. A promotoria do Rio de Janeiro afirma que o casal impunha uma rotina de tortura à criança. O Ministério Público concluiu que a criança passava dias trancada em um quarto.

Ketelen Vitoria recebia alimentação por apenas uma vez ao dia e dormia em um colchão fino que ficava no chão. A denúncia ainda constatou que o casal agredia a criança com socos, chutes, batidas de cabeça contra a parede. Ketelen também teria sido jogada de um barranco de cerca de 7 metros de altura.

Publicidade

Apenas poderia sair para defecar, sendo certo que a urina deveria ser feita na própria roupa ou no chão“, detalha um trecho da denúncia apresentada pelo MP. Gilmara e Brena estão presas em uma cadeia pública da cidade de Volta Redonda. Rosângela Nunes, mãe da madrasta da menina, também foi presa pela polícia.

Publicidade

De acordo com o Ministério Público, a mulher foi conivente com as agressões à criança, pois participava de seus cuidados diariamente. As três mulheres foram indiciadas por homicídio triplamente qualificado. Ketelen tinha apenas 6 anos de idade no dia de sua morte.

Publicidade

Publicidade
Publicidade