in

Caso Henry: delegado dá declaração importante e Monique vê ‘luz no fim do túnel’

A professora está detida em um hospital penitenciário por causa da Covid-19.

UOL

O inquérito que investiga a morte do menino Henry Borel está chegando ao fim. A criança, que era filho do engenheiro Leniel Borel com a professora Monique Medeiros da Costa e Silva, foi dado como morto na madrugada do último dia 8 de março, após sofrer várias lesões, chegando a uma hemorragia no fígado, que, segundo informações das autoridades teria sido a causa do óbito.

Publicidade

Henry morava em um apartamento do condomínio Majestic, no bairro Cidade Jardim, no Rio de Janeiro. No dia de sua morte, ele foi levado, já sem sinais vitais, para o hospital particular Barra D’or, onde a equipe médica confirmou o óbito.

Monique, assim como o namorado, o vereador Jairo Souza Santos Júnior, está presa. Ela encontra-se internada em um hospital penitenciário, pois foi diagnosticada com Covid-19 na semana passada. O estado de saúde não foi informado.

Publicidade

Recentemente, uma carta de Monique veio à tona. A professora relatou no documento de 29 páginas, as diversas agressões que teria recebido do então companheiro. A mulher também pediu para dar um novo depoimento, pois teria “verdades” para revelar à polícia.

Publicidade

Nesta terça-feira (27/04), o delegado responsável pelo caso, Henrique Damasceno, disse que pode ouvir Monique novamente. A oitiva da mãe de Henry depende de outro fator, o laudo do celular de Jairinho, que foi apreendido no dia da prisão do vereador.

Publicidade

O aparelho celular foi jogada pela janela por Jairinho, mas a polícia conseguiu recurar e levar para uma análise pericial. O laudo com as informações nele contidas deve sair em breve e pode conter novidades para o caso.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Aurilane Alves

Escrevo sobre os assuntos mais bombados do momento, famosos, curiosidades, notícias em geral.