in

Mulher morre após ser agredida a marretadas dentro de Metrô em SP; caso gera revolta

Vítima chegou a ser socorrida para uma unidade hospitalar, mas não resistiu aos ferimentos.

Metrópoles

Um caso impactante foi registrado na Linha 1-Azul do Metrô de São Paulo na madrugada da última segunda-feira (26). Uma passageira foi agredida com golpes de marreta na cabeça dentro da composição. A vítima ainda foi socorrida até um hospital próximo, mas não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo. Ela tinha 46 anos. 

Publicidade

O autor da ação criminosa foi preso em flagrante e internado em um hospital, uma vez que foi espancado por outros passageiros que estavam no vagão, e se revoltaram com a cena. As informações foram divulgadas pela assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo

O suspeito de agredir a vítima acabou sendo detido por seguranças. Segundo a comunicação da linha que opera o Metrô, ele tem 55 anos e é aposentado. De acordo com funcionários ouvidos pelo G1, o homem teria tido um surto psicótico e começou a atacar a mulher. Além da marreta, ele estava armado com uma faca, ambos os objetos foram apreendidos para perícia. 

Publicidade

Sob escolta

Até o fechamento desta matéria, o aposentado se encontrava internado em uma unidade hospital para tratar dos ferimentos oriundas das agressões em que ele foi vítima após o crime. Aos policiais, ele relatou ter ouvido vozes. Ele e a vítima não se conheciam. 

Publicidade

Até a última atualização desta reportagem, o homem estava internado num hospital com escolta policial, pois ficou ferido após apanhar de outros passageiros que se revoltaram com a situação. Ele e a vítima não se conheciam. Os nomes dos dois não foram revelados.

Publicidade

O caso está sob responsabilidade da Delpom, da Polícia Civil, situada na Barra Funda, na Zona Oeste de São Paulo, sendo registrado como crime de homicídio. Todas as gravações das câmeras de segurança do Metrô serão solicitadas para tentar elucidar a ação criminosa. Pessoas que estavam na composição no momento do ataque também serão ouvidas, além do próprio suspeito.

Publicidade
Publicidade