in

Médica relata drama vivido com filho por conta de síndrome pós-Covid e faz alerta: ‘Desesperador’

Bebê de 1 ano e oito meses ficou cinco dias internado em um leito de UTI pediátrica.

Metrópoles

As sequelas de infecção provocadas pelo coronavírus têm se tornado cada vez mais evidentes em alguns pacientes. Em entrevista ao portal Metrópoles, a dermatologista Thiara Lenzi, de 40 anos, detalhou o pesadelo vivido no início de março, quando seu filho caçula, o pequeno Davi, de 1 ano e oito meses, ficou internado na UTI para tratar um quadro de Síndrome Inflamatória Multissistêmica.

Publicidade

O problema vem sendo atrelado à infecção do coronavírus, sendo intitulada como síndrome pós-Covid. Segundo Thiara, apesar de nenhum dos membros da família terem sido diagnosticados com a doença, o bebê começou a apresentar manchas vermelhas no corpo e uma febre incessante de 38 graus. 

Dois dias depois dos primeiros sintomas, o quadro de Davi piorou com surgimento de erupções na boca, olhos vermelhos e um aumento na febre, que saltou para os 40 graus e não diminuía. Na entrevista ao Metrópoles, a médica classificou o caso como “desesperador” para os familiares.

Publicidade

Diante disso, Thiara e o marido, que também é médico, perceberam que o caso do filho se tratava de uma síndrome pós-Covid. Após cinco dias em leito de UTI pediátrica, com administração de remédios, Davi se recuperou. A mãe lembra que um mês antes deles vivenciarem o pesadelo, o bebê tinha apresentado um resfriado leve, o que leva a família acreditar que se tratava de um caso de infecção leve do coronavírus. 

Publicidade

“Graças a Deus, meu filho está bem, mas julgo importante alertar os pais, pois o tratamento da síndrome precisa ser iniciado o mais rápido possível”, relata Thiara.

Publicidade

Alerta

Com a experiência vivenciada, Thiara fez questão de enfatizar a importância da atenção dos adultos com as crianças, mesmo com a família não tendo registrado quadros de infecção por Covid-19, é necessário acompanhar e perceber os sinais no corpo, para que um atendimento precoce seja realizado para combater a síndrome pós-Covid logo no seu início. 

Publicidade
Publicidade