in

Caso Henry: polícia bate o martelo e define quando inquérito será concluído; defesa entrega carta de Monique

Polícia Civil está no aguardo do resultado do último laudo para fechar o processo.

DIVULGAÇÃO/GLOBO

A apuração do inquérito da morte do menino Henry Borel de Almeida, de 4 anos, está bem próximo de ser concluído. Depois de colher mais de 20 depoimentos e laudos importantes, a Polícia Civil espera fechar as investigações até a próxima quinta-feira (29). A informação foi revelada pelo jornal “Extra”.

Publicidade

Ainda segundo uma fonte contatada pelo periódico, a Polícia Civil não vê necessidade de que Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe de Henry Borel, preste um novo depoimento. Nas duas últimas semanas, a defesa da professora tem buscado de todas as formas o direito para que ela deponha aos investigadores mais uma vez, revelando um “perfil obscuro” do Dr. Jairinho.

Ontem (26), a defesa de Monique Medeiros entregou uma carta de 29 páginas escritas pela mãe de Henry na unidade prisional em que ela se encontra. Os investigadores, no entanto, enxergam a carta como instrumento de pressão, classificando como uma estratégia para colocar o parlamentar como o único responsável pela ação criminosa contra o menino de 4 anos. 

Publicidade

Em uma nova nota publicada, os advogados de Monique reforçaram a necessidade de um novo depoimento da cliente, alegando que o inquérito não pode ser encerrado com “contradições internas”.

Publicidade

A carta escrita por Monique foi bastante criticada pela nova defesa de Jairinho e pelos advogados de Leniel Borel, pai de Henry e ex-esposo de Monique. Enquanto a representação do parlamentar definiu a carta como “peça de ficção”, os advogados do pai da criança teceram duas críticas, afirmando que Monique “vendeu o filho para a morte” em troca de luxo. 

Publicidade

Próxima de vencer

Jairinho e Monique estão cumprindo prisão temporária em unidades prisionais distintas do Rio de Janeiro. A Polícia Civil espera terminar o quanto antes o inquérito e entregar a documentação para o Ministério Público do Rio, uma vez que a detenção do casal, termina na próxima semana, caso não seja prorrogada. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade