in

Bonecas queimadas, privada de comer e torturas: menina de 6 anos viveu ‘inferno’ na mão da mãe e da madrasta

Ketelen passou cerca de 48 horas sendo vítima de torturas da madrasta e da própria mãe.

Conexão Amazônica - Extra - Montagem

Após cinco dias em coma gravíssimo, a menina de 6 anos, que foi agredida por dois dias consecutivos pela madrasta e a própria mãe, não resistiu e veio a óbito na madrugada do último sábado (24), em uma unidade hospitalar na cidade de Resende (RJ). A pequena Ketelen Vitória Oliveira da Rocha teve graves lesões na cabeça e corria grandes riscos de ficar em estado vegetativo, caso sobrevivesse.

Publicidade

As duas suspeitas pela ação criminosa, Gilmara de Oliveira de Farias e Brena Luane Barbosa Nunes, mãe e madrasta da vítima, respectivamente, estão cumprindo prisão temporária após confessarem a autoria das torturas e agressões contra a menina.

Na mesma residência em que Ketelen morava, viviam as duas suspeitas, a mãe de Brena e sua avó, uma senhora acamada de 86 anos. A mãe da madrasta, a dona de casa Rosangela Nunes, de 50 anos, também foi autuada e responderá por omissão das agressões. No entanto, ela aguardará julgamento em liberdade.

Publicidade

Em entrevista ao jornal ‘Folha de S. Paulo’, dona Rosangela relatou que Ketelen não podia circular por cômodos da casa, teve bonecas queimadas, brinquedos quebrados e era impedida de comer. 

Publicidade

A sessão de tortura, até então atípica, teve requintes de crueldade, com a vítima sendo agredida com pedaços de pau, cabo de fibra óptica e arremesso contra parede. Segundo a dona de casa, os castigos foram motivados pelo fato de Ketelen ter aberto duas caixas de leite. 

Publicidade

O caso segue sob investigação com apuração de mais informações por depoimentos de testemunha. O laudo de necropsia também é aguardado para apontar a causa morte da vítima, bem como todas as lesões provocadas pela ação das duas agressoras.

Sepultamento

O enterro de Ketelen está marcado para ocorrer nesta tarde (24), em Japeri, região metropolitana do Rio de Janeiro. O pai da vítima, Roger Fabrizius, 32 anos, fez a liberação do corpo na noite do último sábado.

Publicidade
Publicidade
Publicidade