in

Caso Henry: infância de Jairinho é exposta e grande violência vem à tona

Acusado de homicídio contra o pequeno Henry Borel, Jairinho teve detalhes de sua infância divulgados.

Reprodução/GloboNews

Hoje preso e afastado de suas atividades parlamentares, o acusado do homicídio do pequeno Henry Borel, de apenas 4 anos, Dr. Jairinho, teve detalhes de sua infância divulgados à imprensa.

Publicidade

Em matéria publicada pelo Jornal Extra, Jairinho se mostrava violento desde os primeiros anos de vida. Em um caso divulgado pelo jornal, Jairinho tinha 8 anos quando atacou um colega de mesma idade que ia comprar lanche na cantina da escola.

As informações dão conta de que Jairinho chegou a pular de um tablado, de cerca de meio metro para atingir o colega, que foi atingido e caiu com o impacto. O caso aconteceu em 1986 no colégio particular Ferreira Alves.

Publicidade

A escola voltada para crianças com grande poder aquisitivo em Bangu, Zona Oeste do Rio, foi um dos casos de hostilidade que se mostrou diária durante três anos da vida de Dr. Jairinho.

Publicidade

Uma das vítimas da perseguição de Jairinho na época da escola concedeu uma entrevista onde afirma que foi alvo de cascudos e bandas no tempo em que passou na escola. “Ele cismou comigo do dia para a noite”. O homem, que prefere não se identificar, afirmava ter muito medo de Jairinho na época da escola: “Ele me batia com raiva. Em seguida, via no rosto dele uma expressão de prazer”.

Publicidade

Este mesmo homem ainda afirma que, na época, deixou de sair para o recreio por medo do colega de escola. 

Um outro colega de escola de Jairinho, que estudou com ele no Colégio Pentágono, afirma que nunca presenciou situação violenta, mas lembra que ele era muito mimado e que conseguia ganhar tudo o que desejava.

Na época da faculdade, outro colega próximo afirma que o médico costumava manter sempre dois relacionamentos amorosos ao mesmo tempo, o que chegou a ficar provado em investigações do Caso Henry. O ex-colega de faculdade afirma que mesmo quando o namoro chegava ao fim, ele tinha mania de perseguição com a pessoa e não permitia o início de outro relacionamento.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Matheus Feitosa

Escrevo sobre TV, famosos e entretenimento desde 2011.

A atenção nos detalhes é o que nos faz prosperar.