in

Caso Heloísa: divulgada imagem da casa que foi cenário de morte da bebê; mãe possuiria envolvimento com álcool

Bebê de 1 ano e 2 meses morreu em casa em decorrência de lesão na medula. Morte é um mistério.

Reprodução: R7 - Fotomontagem por Vieira Filho

Há dois meses, o caso da bebê Heloísa, de apenas 1 ano e dois meses de idade, vem sendo investigado como uma morte misteriosa.

Publicidade

Encontrada já sem vida na piscina de sua residência, o laudo divulgado pelo Instituto Médico Legal (IML) aponta que Heloísa teve como causa de sua morte um traumatismo raquimedular, que consiste em uma lesão na medula da bebê.

No dia da morte, a mãe, de apenas 16 anos, e a avó materna defenderam que Heloísa havia morrido por um afogamento oriundo da negligência materna em relação à criança. Na ocasião, segundo as duas mulheres, acontecia, na casa da bebê, uma pequena festa, o que, possivelmente, teria dificultado os devidos cuidados maternos com Heloísa.

Publicidade

Entretanto, a possibilidade da morte por afogamento foi descartada, uma vez que, com a realização de exames, não foi observada nenhuma quantidade de água no corpo da garota.

Publicidade

De acordo com André Devitte, advogado da mãe e da avó, a hipótese do homicídio também deve ser descartada, apoiando-se no fato de que Heloísa teria apenas perdido a respiração no momento do impacto com a água da piscina.

Publicidade

Já para o advogado de Edson Nascimento, avô da criança, a origem da lesão não poderia ser a queda, já que uma criança da idade de Heloísa não teria força suficiente para causar o tipo de ferimento observado no laudo do IML.

Avô aponta envolvimento da mãe com álcool

Segundo o avô da criança, festas eram comuns no local da morte de Heloísa, e a mãe da bebê postava, com frequência, fotos com bebidas alcoólicas na mão.

De fato, em imagem obtida na investigação do caso, nota-se, na residência onde Heloísa faleceu, diversos recipientes de bebidas alcoólicas, como latas e garrafas de vidro.

No entanto, segundo filmagens obtidas pela polícia que investiga o caso, nenhuma festa teria ocorrido momentos antes da morte da criança, o que vai contra as alegações da mãe e da avó.

Publicidade
Publicidade
Publicidade