in

Boulos é intimado pela Polícia Federal por conta de tuíte direcionado a Bolsonaro

O tuíte culminou em uma representação atribuindo crime contra a segurança nacional junto ao Ministério da Justiça.

Veja/Poder360/Montagem: Higor Mendes

O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, MTST e ex-candidato a ocupar a cadeira de prefeito da cidade de São Paulo, Guilherme Boulos (PSOL), foi intimado pela Polícia Federal a prestar depoimento na próxima quinta-feira (29) por conta de um comentário realizado por ele em seu perfil na rede social Twitter, em abril de 2020.

Publicidade

Boulos resolveu escrever o tuíte após as declarações de Jair Bolsonaro um dia após um ato em frente ao Quartel General do Exército, que contou com faixas contra o Congresso e o STF.

Na ocasião, o presidente havia dito que normalmente as pessoas conspiram para chegar ao poder, porém, ele já estava no poder e já era o presidente da República. Em seguida, Bolsonaro completou dizendo “eu sou realmente a Constituição”.

Publicidade

O líder do MTST rapidamente associou a fala do presidente à frase “O Estado sou eu”, atribuída ao rei Luís XIV, que governou a França entre os anos de 1643 e 1715 e foi executado em 1793, marcando um dos mais importantes fatos da Revolução Francesa, que trouxe o fim do regime absolutista no País.

Publicidade

Utilizando o acontecimento histórico para alfinetar o presidente, Boulos escreveu: “Um lembrete para Bolsonaro: a dinastia de Luís XIV terminou na guilhotina”.

Publicidade

A publicação não foi vista com bons olhos pelo deputado José Medeiros (Podemos-MT), que levou a mesma para o Ministério da Justiça, junto a outra representação em que o parlamentar atribui crime contra a segurança nacional ao jornalista Ricardo Noblat, também em função de uma postagem na mesma rede social.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Higor Mendes

Redator com três anos de experiência, apaixonado por história da Segunda Guerra Mundial, política, futebol e curiosidades em geral.