in

Covid: especialistas explicam por que ventilar ambientes é mais importante do que higienizar as compras

Lavar as mãos com água e sabão também é uma das recomendações para evitar o contágio pelo coronavírus.

HMCA

A pandemia do novo coronavírus mudou o comportamento da sociedade de uma forma geral. Além de todas as práticas orientadas para evitar o contágio, a maioria das pessoas faz a desinfecção das compras que são realizadas nos mercados. O temor de que as embalagens estejam contaminadas com o vírus fez com que as compras sejam higienizadas com álcool gel ou água e sabão.

Publicidade

Contudo, o que muita gente não sabe é que a possibilidade de o contato de um indivíduo com uma superfície que esteja contaminada com o coronavírus resultar em uma infecção é menor que 1 em 10 mil, conforme informação do CDC – Centro de Controle e Prevenção de Doenças, que é a agência de saúde público dos Estados Unidos.

O órgão fez a atualização neste mês de abril das informações sobre a transmissão do vírus por superfícies e reconheceu que esse risco é considerado baixo. Inclusive, muitos pesquisadores já haviam falado sobre essa questão desde o último ano. “É possível que as pessoas sejam infectadas pelo contato com superfícies ou objetos contaminados, mas o risco é geralmente considerado baixo”, informou a agência.

Publicidade

Na verdade, o risco de contágio do vírus através de superfície é menor em comparação com o contato direto por meio de transmissão de gotículas ou transmissão aérea. As chances de contaminação pelo ar vai variar dependendo de alguns fatores como ventilação, quantidade de pessoas no ambiente, tempo de exposição no local e o uso de máscaras que sejam adequadas.

Publicidade

A atualização recente da agência americana ressalta o grau de importância que foi dado à higienização das superfícies na pandemia se comparado em outras medidas preventivas. Desde que o coronavírus se espalhou pelo mundo as pessoas começaram a ter o hábito de lavar todas as embalagens dos produtos após as compras. Esse detalhe que ficou popular tem o intuito de evitar a contaminação caso alguém acabe encostando no objeto e depois leva a mão ao rosto. Porém, os especialistas alertam que o maior risco de contaminação é através da transmissão via aérea.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.