in

Caso Henry: doente, mãe de Henry faz pedido desesperado à polícia, mas delegado não poupa Monique

Monique Medeiros está presa há pouco mais de uma semana em uma penitenciária de Niterói.

UOL/Montagem

Até sexta-feira (23/04), o inquérito que investiga a morte do menino Henry Borel Medeiros deve ser finalizado, de acordo com delegado. A criança, que tinha quatro anos, foi declarada morta na madrugada de 8 de março deste ano após ser levado para um hospital pela mãe, Monique Medeiros da Costa e Silva, e pelo padrasto, o médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o dr. Jairinho.

Publicidade

O escritório de defesa de Monique se manifestou nesta semana e pediu à Justiça que dê a sua cliente uma nova oportunidade de depor. Os advogados da professora afirmam que ele teve medo de falar enquanto o namorado estava à solta e agora pretende contar toda a verdade envolvendo a morte do filho e o que acontecia na residência.

Entretanto, o delegado Antenor Lopes afirmou que a mãe de Henry já teve chance suficiente para dizer à polícia o que sabia: “Ela já teve várias oportunidades e não o fez. Ficou na delegacia prestando declarações por seis horas. Agora, quem vai decidir isso é o delegado da 16ª DP (Barra da Tijuca)“, disparou a autoridade.

Publicidade

Ministério Público informou, através de uma nota, que o pedido da defesa de Monique foi protocolado em nome do procurador-geral de Justiça e encaminhado ao Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Investigação Penal que o enviou ao promotor. A decisão será tomada pelo delegado responsável pelo caso, Henrique Damasceno, que ainda não deu o parecer.

Publicidade

Monique está presa em Niterói e foi diagnosticada, nesta semana, com Covid-19. Ela deve permanecer em tratamento e isolada em uma unidade de saúde penitenciária até sua recuperação.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Aurilane Alves

Escrevo sobre os assuntos mais bombados do momento, famosos, curiosidades, notícias em geral.