in

Caso Henry: Jairinho é investigado por agressões a três crianças

Após a prisão do vereador, testemunhas passaram a procurar a polícia para relatar agressões e violência.

Tânia Rêgo

Após o depoimento de uma ex-namorada do vereador Jairinho, Débora Melo, já somam três os casos de crianças supostamente agredidas pelo parlamentar, que até então nega as acusações e diz nunca ter praticado qualquer tipo de violência.

Publicidade

Jairinho e sua atual companheira, Monique Medeiros, tiveram a prisão preventiva decretada e, desde 8 de abril, estão detidos por atrapalharem as investigações a cerca da morte de Henry, de apenas 4 anos. 

O caso de Henry ganhou repercussão nacional após o menino foi a óbito na madrugada de 8 de março. Jairinho e Monique são suspeitos de serem os responsáveis pela morte da criança.

Publicidade

Após a prisão do vereador, diversas testemunhas criaram coragem e procuraram a polícia para dar relatos de violências cometidas pelo mesmo ou para mudar seu depoimento e contar a verdade.

Publicidade

Nesta sexta-feira (16), Débora Melo prestou um novo depoimento, onde relatou agressões cometidas por Jairinho contra ela e seu filho. De acordo com o delegado Antenor Lopes, a ex-namorada do vereador relatou que foram tantas agressões que ela nem sequer conseguia dizer quantas vezes teria apanhado.

Publicidade

De acordo com ela, as agressões contra a criança teriam ocorrido quando ele ainda tinha 3 anos de idade. O menino teria afirmado, então, que Jairinho chegou até mesmo a colocar um papel e um pano em sua boca e lhe mandado não engolir.

Em outra ocasião um saco plástico teria sido colocado na cabeça da criança enquanto o vereador dava voltas com o carro. A outra filha de Débora teria dado a confirmação dos relatos do menino.

Outra denúncia contra o parlamentar foi realizada por outra ex-namorada, mãe de uma menina. Segundo ela, que preferiu ter sua identidade mantida em sigilo, sua filha passou por situações muito parecidas com as vividas por Henry.

“Eu falava que ele estava vindo, aí ela passava mal, vomitava, me agarrava. Ou então pedia à minha mãe: ‘Posso ficar com você, vó? Eu não quero ir, quero ficar aqui”, disse ela. 

Publicidade

Escrito por Higor Mendes

Redator com três anos de experiência, apaixonado por história da Segunda Guerra Mundial, política, futebol e curiosidades em geral.