in

Caso Henry: Polícia encontra objeto importante para as investigações no quarto do menino

Monique Medeiros e Dr. Jairinho foram detidos na última quinta-feira (08), quando o caso completou exatamente um mês.

ARQUIVO PESSOAL MONIQUE MEDEIROS / REPRODUÇÃO RECORD TV

Responsáveis por uma perícia complementar no apartamento onde Henry Borel vivia com a mãe, Monique Medeiros, e o padrasto, Dr. Jairinho, agentes policiais encontraram uma câmera de monitoramento na caixa no quarto do garoto que morreu há pouco mais de um mês. 

Publicidade

O equipamento já havia sido citado pela mãe do menino, após ela ter recebido uma videochamada em que o filho e a babá dele, Thayná de Oliveira, relatam agressões do parlamentar. 

Em depoimento prestado na última quarta-feira (14), a cabeleireira que atendeu Monique no dia 12 de fevereiro, relata que durante atendimento, a professora recebeu uma ligação de Henry, que chorando, a questionou se a atrapalhava, e ainda pediu que a mãe retornasse para casa. 

Publicidade

A testemunha ainda relata que o tom de voz do menino em “choro manhoso”, e ele teria falado “O tio bateu” ou “O tio brigou” – a profissional diz não se lembrar a frase exata.

Publicidade

Monique teria ficado agitada em outra ligação, desta feita com Jairinho, e antes de sair de forma apressada do local após o atendimento, questionou à cabeleireira onde poderia encontrar no shopping uma câmera de monitoramento, e recebeu a recomendação dela. 

Publicidade

Foi ou não usado?

O equipamento conhecido como lâmpada espiã foi encontrado na estante do cômodo onde Henry dormia. É bem provável que a câmera não tenha sido utilizada para monitorar supostas rotinas de violência que Henry era vítima.

O objeto é utilizado para monitorar ambientes, possuindo uma câmera sem fio, que pode ser sincronizada com o celular, enviando as imagens em tempo real, podendo filmar até três dias de forma ininterrupta. 

Monique e Jairinho permanecem cumprindo prisão temporária de 30 dias. Ao longo desta semana, os dois trocaram de advogados, e agora são representados por pessoas diferentes no inquérito. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade