in

Presidente da Argentina rebate afirmação de Bolsonaro sobre papel dos militares na pandemia

Na publicação, Bolsonaro dizia que exército argentino estaria nas ruas para manter o povo em casa.

Sala de Prensa (Portal Argentino)

Nesta quinta-feira (15), Alberto Fernández, presidente da Argentina, respondeu a uma publicação do presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais.

Publicidade

Em seus perfis, o mandatário brasileiro publicou uma postagem dizendo “exército argentino nas ruas para manter o povo em casa. Toque de recolher entre 20h e 8h”.

Durante uma entrevista a uma rádio, o presidente argentino afirmou ter considerado impactante que Bolsonaro diga algo assim.

Publicidade

Fernández falou do exército argentino como oficiais que fizeram carreira na democracia, que defendem as instituições e que tem colaborado de maneira magnífica durante a pandemia, proporcionando assistência aos locais de maior vulnerabilidade.

Publicidade

Medidas contra a Covid-19 na Argentina

O governo argentino anunciou, na última quarta-feira (14) durante a noite, as novas medidas de restrição quanto a circulação de pessoas. A intenção é frear a segunda onda da covid-19 no país.

Publicidade

A cerca do papel desempenhado pelas Forças Armadas na Argentina, o presidente afirmou que pediu ajuda aos militares para montar postos de saúde, com ideia de tornar mais rápida a realização dos exames necessários.

Fernández afirmou que o exército possui médicos e enfermeiros altamente qualificados, justamente o que ele teria pedido. O presidente argentino ainda disse que não declarou estado de sítio e nem pensar em assim fazer. Em seguida, completou dizendo que as Forças Armadas não fazem segurança interna, mas sim, estão ali para dar apoio à população durante situações catastróficas.

A partir desta sexta-feira (16), estará proibida a circulação de pessoas entre às 20h e 6h na área metropolitana de Buenos Aires. Fernández encarregou a Polícia Federal do país para fiscalizar o cumprimento da decisão.

Publicidade

Escrito por Higor Mendes

Redator com três anos de experiência, apaixonado por história da Segunda Guerra Mundial, política, futebol e curiosidades em geral.