in

Cronologia em imagens aponta detalhes impactantes das supostas agressões de Jairinho a Henry Borel

O pequeno Henry Borel morreu no dia 8 de março, a polícia concluiu que padrasto é responsável pela morte.

Veja/Montagem

A cronologia das supostas agressões sofridas pelo pequeno Henry Borel foi detalhada pela babá Thayná Ferreira. Henry teria sido agredido pelo Doutor Jairinho, e a babá contou o que aconteceu na tarde do dia 12 de fevereiro. Conforme o que foi relatado pela cuidadora da criança para a mãe Monique Medeiros através do aplicativo de mensagens instantâneas, o pequeno teria sido submetido a uma sessão de tortura nesse dia.

Publicidade

A conversa entre Monique Medeiros e Thayná Ferreira somente pôde ser recuperada pelos investigadores graças a um software israelense, e foi isso que ajuda a polícia na apuração dos fatos. Segundo a 16ª DP – Departamento de Polícia da Barra da Tijuca, Dr. Jairinho é o assassino do pequeno Henry Borel, e a mãe foi conivente com o crime. O casal está preso desde a quinta-feira da última semana, 8 de abril.

Baseado no depoimento da babá aos investigadores nos prints que foram extraídos da conversa feita pelo WattsApp, o portal de notícias G1 conseguiu reproduzir a cronologia das agressões mostrando o que aconteceu na tarde daquele dia. Antes de ser agredido, Henry abraçou o padrasto. Depois que Jairinho saiu do apartamento, o menino contou tudo que ocorreu à mãe através de uma chamada de vídeo. Depois disso, o vereado ficou irritado e gritou com a criança na frente da babá.

Publicidade

Publicidade

Relembre o caso

O caso Henry Borel movimenta a mídia nos últimos dias. A criança estava na companhia do padrasto e da mãe em um apartamento da Barra da Tijuca quando foi levado pelo casal às pressas até um hospital. O fato aconteceu no dia 8 de março e o pequeno já chegou na unidade sem vida.

Publicidade

Monique Medeiros, mãe de Henry Borel, junto com o Jairinho alegaram que o garoto havia sofrido um acidente doméstico. Contudo, essa versão caiu após laudo da necropsia e reconstituição dos fatos feita no apartamento do casal. A verdade é que a polícia afirma que semanas antes de o menino ser morto, Henry foi torturado pelo vereador e a mãe tinha conhecimento das agressões.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.