in

Caso Henry: laudo aponta que o garoto provavelmente foi agredido 3 vezes na noite em que morreu

Segundo a perita que cuida do caso, o garoto foi sendo agredido até morrer.

Reprodução:TV Globo/G1

O “Fantástico” desse domingo (11/04) trouxe novas revelações a respeito do caso Henry, que comove todo o Brasil desde o dia 8 de março, quando chegou ao hospital já morto. O garoto tinha apenas quatro anos e tinha histórico de sofrer agressões do padrasto, segundo provas divulgadas pela polícia na última semana.

Publicidade

Em uma conversa de WhatsApp recuperada pela polícia após ser apagada do celular de Monique Medeiros, mãe de Henry, A babá Thayná narra o exato momento em que o vereador Dr. Jairinho se tranca com Henry dentro de um quarto e o garoto sai de lá mancando e reclamando que recebeu rasteiras e chutes do padrasto. 

O dominical da Rede Globo revelou que um dia após essa conversa de Monique com a babá, Henry foi hospitalizado por estar com dores nas pernas e mancando. Na ocasião a mãe alegou que o garoto tinha caído de sua cama no dia anterior por volta das 17h, horário exato das agressões de Jairinho. 

Publicidade

Henry pode ter sido agredido 3 vezes na noite em que morreu

O depoimento de Monique aponta que Henry acordou 3 vezes na noite em que foi a óbito. A reportagem teve acesso aos laudos da perícia que  indicam que o garoto pode ter sido agredido nessas 3 vezes em que se levantou para reclamar do som da TV. Monique e Jairinho assistiam uma série no momento. 

Publicidade

Segundo a perita do caso teve agressões de baixa energia, teve outra mais leve, e a terceira no fígado que foi fatal. Denise afirma que Henry teve agressões primeiro na cabeça e depois no abdômen. ‘Foi sendo agredido até morrer‘, disse ela em entrevista para a Globo. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Jean Marangoni

Influenciador digital responsável pelas páginas 'Mussum Sinceris' nas redes sociais, trabalho também com jornalismo online há 3 anos. Para sugestões entre em contato: jeanmarangoni@gmail.com