in

Caso Henry: mãe do menino é ameaçada de morte em prisão, mostra desespero e recusa visita de advogado

Monique Medeiros foi levada para penitenciária situada em Niterói, na Região Metropolitana do Rio.

REPRODUÇÃO RECORD TV / ARQUIVO PESSOAL MONIQUE MEDEIROS

Acusada de envolvimento na morte do próprio filho, o menino Henry Borel, de 4 anos, a professora Monique Medeiros, foi presa na última quinta-feira (8), ao lado do atual companheiro, Dr. Jairinho, após serem acusados de atrapalharem no andamento das investigações do caso que chocou o país.

Publicidade

Após prestar depoimento e realizar exame no IML, Monique Medeiros foi levada para o Instituto Penal Ismael Sirieiro, em Niterói. Na unidade, ela cumprirá isolamento de duas semanas por protocolos da Covid-19, mas deve permanecer distante das outras prisioneiras, tendo em vista que a recepção para com ela de outras detentas não foi nada amistosa.

De acordo com informações da colunista Juliana Dal Piva, do UOL, Monique ouviu gritos em coro “uh, vai morrer” de outras prisioneiras enquanto era levada para a sua cela. A professora passa os dias chorando, intercalando com momentos de gritos.

Publicidade

Monique vem fazendo uso de medicamentos controlados, mas até o momento não solicitou atendimento médico. O comportamento da mãe de Henry é totalmente distinto de quando ela foi presa, quando aparentava tranquilidade. 

Publicidade

Negou visita

Ainda segundo a colunista, Monique chegou a recusar na última sexta-feira (9), a visita de um advogado. Responsável pela defesa do casal, o advogado André França Barreto disse que não sabe detalhes sobre esta recusa, e afirmou que irá visitá-la neste domingo (11).

Publicidade

Barreto disse que esteve com o vereador Jairinho ontem, e que o cliente rechaçou a informação de que teria passado mal na unidade prisional em que se encontra. A informação repassada por servidores do presídio foi de que o parlamentar precisou ser levado à UPA do complexo onde está detido, sendo atendido por um médico. Jairinho, no entanto, alegou que sequer saiu da cela.

Publicidade
Publicidade
Publicidade