in

Secretário de Saúde de SP declara que o estado deve manter restrições

As medidas restritivas começaram a surtir efeito, entretanto, de acordo com o secretário, não é hora de relaxar.

Reprodução/ Governo do Estado de São Paulo

Nesta quarta-feira (7), o Secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, declarou que, apesar dos bons resultados obtidos com as medidas restritivas mais rígidas, será necessário manter algumas restrições no estado de São Paulo. Apesar da sua declaração, o secretário evitou mencionar uma prorrogação da fase emergencial da quarentena.

Publicidade

A fase emergencial da quarentena paulista começou no dia 15 de março, com data de término prevista para o dia 30 de março, entretanto, devido ao aumento de casos de Covid-19 e a situação desesperadora do sistema hospitalar, o governador João Doria, juntamente com sua equipe, decidiu estender a fase mais rígida de restrições até o dia 11 de abril. 

Com o fim da fase emergencial se aproximando, o governo está estudando novas possibilidades para diminuir o avanço da Covid-19. De acordo com o secretário de saúde, a população está ajudando no combate à doença, pois o índice de isolamento social chegou a 53% no estado.

Publicidade

Contudo, é através das medidas de restrição que o governo conseguiu o apoio da população. Apesar da boa notícia, o estado de São Paulo bateu o recorde de mortes diárias por Covid-19 nesta última terça-feira (6), com um total de 1389 óbitos.

Publicidade

Outra preocupação do governo estadual é a taxa de ocupação de leitos de UTI destinados ao tratamento de pacientes com Covid-19. O estado chegou ao vigésimo segundo dia seguido com taxa superior a 90% e, no total, cerca de 555 pessoas com Covid-19 ou suspeita da doença não conseguiram aguentar o tempo de espera na fila por leitos.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade