in

Morte de Henry está prestes a completar um mês e pai faz desabafo comovente: ‘Aguardo todo dia por respostas’

Henry Borel morreu na madrugada do dia 8 de março, e caso ainda segue sob apuração da Polícia Civil.

UOL

O caso de morte do menino Henry Borel, de 4 anos, foi um dos assuntos mais comentados nas últimas semanas, e impactou o país por todo mistério que o cerca. Mergulhada nas investigações, a Polícia Civil vem trabalhando com duas linhas de apuração: acidente doméstico ou ação criminosa, sendo que a primeira opção é quase que descartada pelos peritos. 

Publicidade

Acompanhando as investigações do caso de perto, o pai de Henry, o engenheiro Leniel Borel, tem utilizado suas redes frequentemente para manifestar o sentimento de saudade que tem do filho, bem como para pedir Justiça, e que a morte do menino seja esclarecida. 

Publicidade

“Henry, o seu sorriso sempre nos trouxe paz, amor e muito mais. Sua alegria ainda nos contagia e faz lembrar que mais um dia não é só um dia a mais. Aguardo todo dia por respostas. Deus não tarda e nem falha, pois ele age na hora certa”, desabafou Leniel Borel.

Publicidade

Leniel esteve com Henry no dia 7 de março, quando passou o último final de semana com o filho, antes de entregá-lo para a mãe no condomínio onde ela morava com o vereador Dr. Jairinho (Solidariedade), na Barra da Tijuca. Na madrugada do dia 8 de março, Henry foi levado às pressas para uma unidade hospitalar próxima, mas segundo a equipe médica informou em depoimento, o garoto já chegou no local sem sinais vitais. 

Depoimentos reveladores

Responsável por colher depoimentos das testemunhas, o delegado Henrique Damasceno, titular da 16ª DP (Barra da Tijuca), ouviu fortes declarações nas oitivas, como por exemplo, denúncias de supostas agressões cometidas por Jairinho a ex-namoradas e crianças.

Diante das acusações, foi aberto um inquérito paralelo ao caso Henry para apurar o caso. No momento, Jairinho é tido como um dos alvos na investigação da morte do menino de 4 anos.

Publicidade
Publicidade