in

Caso Henry: pai toma atitude para intensificar investigações da morte do filho; semana será decisiva

Menino de 4 anos morreu no dia 8 de março, horas depois de ser deixado com mãe em um condomínio no Rio.

UOL

Acompanhando as investigações do caso de morte do seu filho, Henry Borel, de 4 anos, o engenheiro Leniel Borel, decidiu organizar uma carreata para pedir justiça. Nesta segunda-feira (05), haverá uma concentração às 17h na subprefeitura da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, rumo à 16ª DP, onde o caso está sendo investigado.

Publicidade

Na próxima quinta-feira (08), a morte do menino Henry completará um mês, e algumas lacunas ainda faltam ser preenchidas para que o óbito seja elucidado. No laudo da necropsia, os peritos apontaram diversas lesões no corpo da criança, e a causa da morte foi hemorragia interna e laceração hepática. 

Na versão apresentada à polícia, a mãe de Henry, Monique Medeiros, e o atual companheiro dela, o vereador Dr. Jairinho, afirmaram que o garoto foi encontrado “gelado e com os olhos virados” no chão do quarto onde dormia, apresentando depoimento de um suposto acidente doméstico.

Publicidade

A versão, no entanto, é vista como improvável por peritos especialistas. Estes, por sua vez, classificam que as lesões identificadas no corpo de Henry diverge de um caso de acidente doméstico.

Publicidade

Reconstituição

Na última quinta-feira (1º), agentes da Polícia Civil e peritos estiveram no apartamento onde Henry morava com a mãe e o padrasto para realizar uma reprodução simulada do caso de morte da criança, com base nos depoimentos apresentados.

Publicidade

Monique e Jairinho, no entanto, não compareceram ao apartamento. A defesa do casal tentou remarcar a reconstituição para uma nova data, mas não obteve êxito no pedido. O advogado André França Barreto, ainda impetrou pedidos para que as investigações fossem paralisadas ou que trocassem de delegacia.

Publicidade
Publicidade