in

Caso Henry: defesa de Jairinho e Monique alega doença psicológica para adiar reconstituição

Os advogados entraram com pedido de adiamento da reconstituição do crime, alegando doença psicológica.

REPRODUÇÃO RECORD TV / ARQUIVO PESSOAL MONIQUE MEDEIROS

A defesa de Jairo Souza Santos Júnior, conhecido como vereador Dr. Jairinho, e de sua esposa, Monique Medeiros, padrasto e mãe do menino Henry Borel, realizou um pedido de adiamento da reconstituição do caso ocorrido com a criança. A simulação estava prevista para ser realizada nesta quinta-feira (1), às 14 horas, no apartamento do casal, onde o menino teria sofrido lesões que o levaram a falecer, no dia 8 de março.

Publicidade

Os advogados usaram como argumento para o adiamento da simulação, o fato de Monique estar passando por um “grave estado de depressão” após os acontecimentos, e solicitaram que o dia 12 de abril seja a nova data.

O casal foi intimado para a reconstituição na tarde da última terça-feira (30). No documento, o casal foi advertido a cerca da possibilidade de responder por crime de desobediência no caso de não comparecerem no dia, local e hora marcada para o procedimento.

Publicidade

Na petição, André Barreto, advogado que assumiu o caso, argumentou que não há tempo hábil para que o assistente técnico dos requerentes prepare os quesitos e a participação no ato, classificados por ele como “essenciais à defesa”.

Publicidade

Outras petições foram anexadas ao inquérito conduzido pelo delegado Henrique Damasceno, titular da 16ª DP, Barra da Tijuca, que ainda não decidiu se atenderá ao pedido feito pelos advogados.

Publicidade

Um laudo de ruído ambiental, em virtude do barulho de uma possível queda da cama no momento em que o casal assistia série no quarto ao lado do de Henry, também foram solicitados pelos advogados do casal.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Higor Mendes

Redator com três anos de experiência, apaixonado por história da Segunda Guerra Mundial, política, futebol e curiosidades em geral.