in

Advogado de pai do menino Henry dispara após novo vídeo vir à tona: ‘imagens são reveladoras’

Henry Borel morreu na madrugada do dia 8 de março, e caso ainda segue sob apuração da Polícia Civil.

UOL

As investigações acerca do caso de morte do menino Henry Borel de Almeida, de 4 anos, estão avançadas para a elucidação da ocorrência que chocou o país e vem tendo uma ampla repercussão nas últimas semanas.

Publicidade

No domingo (28), o programa “Fantástico” exibiu uma reportagem especial trazendo novos desdobramentos e revelações sobre o caso. Um vídeo com o menino no colo da mãe no elevador foi exibido. Nas imagens, o padrasto do menino de 4 anos, o vereador Dr. Jairinho (Solidariedade) aparece tentando fazer um carinho nele, mas não obtém respostas.

O garoto se mostra bastante abatido ao retornar para casa após passar o final de semana com o pai, o engenheiro Leniel Borel. 

Publicidade

Palavra da defesa

Em entrevista concedida a uma reportagem que foi ao ar no “Fala Brasil”, da Record TV, o advogado do pai de Henry, Leonardo Barreto, destaca o comportamento da criança, e classifica as imagens como “reveladoras”. 

Publicidade

“Ela totalmente retraída, constrangida, me pareceu bastante acuada. O Dr. Jairinho ainda tenta fazer um carinho na cabeça da criança, nas costas, e não obteve respostas de ninguém, nem um olhar da mãe, então aquelas imagens são reveladoras”, disse Barreto, pontuando na sequência que a prisão de Monique e Jairinho deve ocorrer em breve.

Publicidade

“Eu entendo que eles já têm elementos suficientes para indício de autoria e a materialidade do fato. E a cautelar de prisão preventiva é questão apenas de tempo”, concluiu o advogado do engenheiro. 

Perícias

Por determinação da Justiça, o apartamento onde Henry vivia com a mãe e o padrasto, na Barra da Tijuca, no Rio, foi interditado. O casal foi obrigado a entregar as chaves do imóvel, para a realização de perícias. 

Na última segunda-feira (29), agentes da polícia e peritos estiveram no apartamento para uma investigação mais aprofundada no palco do caso de morte. 

Publicidade