in

Secretário propõe que baladeiros e frequentadores de pancadões fiquem no fim da fila por vaga em UTI

A proposta do secretário de justiça do Paraná é para que se crie uma lista suja com os nomes de quem for pego em festas.

Foto: Reprodução/TV Gazeta

O deputado federal licenciado e atual secretário de Justiça do estado do Paraná, Ney Leprevost, encaminhou para o ministério da Saúde e também para o da Justiça uma proposta sugerindo que pessoas flagradas em qualquer tipo de balada clandestina, seja na pista ou na organização do evento, tenha seu nome cadastrado em uma espécie de “lista suja” da pandemia.

Publicidade

A ideia é a de que essas pessoas fiquem no fim da fila caso precisem de um leito de UTI nesse momento em que as vagas estão cada vez mais escassas em todo território brasileiro. 

Segundo o secretário, sua proposta não pretende negar socorro e tratamento adequado para os frequentadores de baladas ilegais em período de isolamento. Mas no caso de duas pessoas a espera de respiradores com apenas um disponível, aquela com seu nome na lista suja cederia sua vaga para aquele que não foi pego em nenhuma festa.

Publicidade

Leprevost acredita que irão alegar que a sua proposta é inconstitucional. Entretanto, o secretário da justiça defende: que o direito que essas pessoas tiveram de se divertir ou até mesmo de se enriquecer com o lazer inapropriado de outras pessoas de maneira nenhuma deve se sobrepor ao direito a saúde e a vida de toda a sociedade.

Publicidade

A pandemia de coronavírus vive o seu pior momento no Brasil, com o país registrando dia após dia recordes de mortes e com hospitais sem vagas e leitos para UTI. Muitas pessoas estão perdendo a vida antes de conseguir um respirador. Algumas cidades adotaram medidas ainda mais restritivas na última semana no intuito de conter o avanço do vírus.

Publicidade

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Jean Marangoni

Influenciador digital responsável pelas páginas 'Mussum Sinceris' nas redes sociais, trabalho também com jornalismo online há 3 anos. Para sugestões entre em contato: jeanmarangoni@gmail.com