in

Auxílio Emergencial: Bolsonaro anuncia quando novos pagamentos do benefício serão iniciados

Benefício terá mais quatro cotas em 2021, mas com valores diferenciados de acordo com perfil.

Agência Brasil

O Auxílio Emergencial teve a sua volta oficializada na última semana após o governo enviar a MP para o Congresso viabilizando novos pagamentos do programa. Nesta quinta-feira (25), em sua live semanal, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) falou sobre o benefício e indicou quando a nova fase será iniciada.

Publicidade

Segundo o chefe do Executivo, o Auxílio Emergencial 2021 terá início entre os dias 4 ou 5 de abril. Como o dia 4 cai em um domingo, é bem provável que os pagamentos se iniciem no dia seguinte. Diferentemente do modelo anterior, os beneficiários do Bolsa Família não receberão as cotas antes dos demais grupos.

Conforme ficou sinalizado pelo governo, os integrantes do Bolsa Família seguirão com o calendário nativo do programa, e começam a receber o Auxílio a partir do dia 16 de abril. Os primeiros que serão contemplados são os beneficiários inscritos via CadÚnico e na sequência os trabalhadores informais. 

Publicidade

“O auxílio emergencial começa no início da semana que vem, dia 4 ou 5 começa o pagamento de mais quatro parcelas do auxílio emergencial, que já é o maior programa social do mundo para atender exatamente aqueles que foram atingidos pela política do ‘fique em casa’, ‘feche tudo’”, disparou o presidente. 

Publicidade

Ainda em seu pronunciamento à nação, Bolsonaro exaltou o trabalho do governo federal para manter a economia em funcionamento, e voltou tecer críticas acerca dos governadores que serão favoráveis à prática do lockdown para minimizar o cenário de disseminação da Covid-19. 

Publicidade

Valores

Em seu retorno, o Auxílio Emergencial terá valores diferenciados que irão se basear de acordo com o perfil de cada família. O valor mínimo é de R$ 150, as cifras intermediárias são de R$ 250, e as mães chefes de família serão contempladas com R$ 375 por mês. Na PEC Emergencial, o governo recebeu a liberação para gastar até R$ 44 bilhões com os novos pagamentos do benefício. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade