in

Professora com suspeita de tuberculose faz raio-X e médicos descobrem camisinha presa nos pulmões

Mulher teve ser submetida a uma cirurgia e ainda ficou com pedaços do preservativo preso nos pulmões.

UOL

Um caso pra lá de atípico foi registrado na Índia e intrigou os médicos. Uma professora de 27 anos, que não teve a identidade revelada, deu entrada em uma unidade hospitalar com sinais de tuberculose. Contudo, não se esperava que todo o problema da paciente teria sido causado por uma camisinha que ela tinha inalado de forma acidental em uma relação íntima com o marido.

Publicidade

O caso inusitado foi publicado no jornal científico da National Library of Medicine. Segundo os pesquisadores, na consulta inicial a mulher se queixava de tosse, febre e acúmulo de muco. Em um primeiro momento, a professora recebeu a prescrição de alguns remédios para tuberculose, mas os problemas não passaram após quatro meses e ela voltou ao hospital.

Em uma nova avaliação, os médicos constataram que a docente não estava com tuberculoso. O que havia, na verdade, era uma lesão em um lobo pulmonar, que acabou sendo provocado pelo fato dela inalar o preservativo. 

Publicidade

A equipe médica só descobriu o incidente depois de examinarem o tórax da paciente e avistarem a camisinha presa nos pulmões da mulher. No primeiro momento, eles classificaram o item como uma bolsa invertida, e só depois constataram que se tratava de uma camisinha. 

Publicidade

Relato

Questionada sobre como o preservativo teria ido parar em seus pulmões, a mulher se lembrou de quando teve relações com o marido.

Publicidade

“Eles [marido e mulher] podiam se lembrar que a camisinha se soltou durante o ato. “Naquela época, a senhora também teve um episódio de espirro ou tosse”, disse um dos médicos que atendeu o caso.

A paciente foi submetida a um procedimento cirúrgico, mas alguns pedaços do preservativo permaneceram presos no pulmão. Ao que tudo indica, ela deve passar por uma broncoscopia, que vai avaliar a traqueia, brônquios e parte dos pulmões. Segundo os médicos, a mulher deve se recuperar 100% em breve. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade