in

Pacientes com sintomas leves de Covid-19 podem transmitir o vírus por mais de 30 dias, diz estudo

Pesquisadores revelaram que em alguns casos o vírus se multiplicou por mais tempo que o isolamento necessário.

Foto: Arquivo/Paulo Marrucho/IDOR/Agência Brasil

O Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (IMT-USP) conduziu alguns estudos e chegaram a uma conclusão que alguns pacientes infectados, pelo coronavírus, que possuem sintomas leves, podem continuar transmitindo o vírus por mais de 30 dias. O tempo de transmissão é muito superior ao tempo de isolamento recomendado àqueles que contraíram a Covid-19. Hoje o isolamento necessário gira em torno de 14 dias.

Publicidade

O estudo coordenado pela professora-pesquisadora Maria Cassia Mendes-Correa envolveu duas mulheres acima dos 50 anos, residentes da cidade de São Caetano do Sul (SP), região metropolitana de São Paulo. Uma das mulheres foi atendida no ano de 2020 e relatou sentir sintomas leves há 20 dias. Foi realizado um teste de RT-PCR e constatado a presença do vírus. Logo após 37 dias do início dos sintomas leves, foi realizado um teste molecular com a mesma mulher e o resultado também deu positivo.

No segundo caso, o teste foi realizado após 5 dias do início dos sintomas leves, sendo o resultado positivo. Os sintomas da mulher não cessaram e no 24º dia após o início dos sintomas foi realizado outro teste, sendo o resultado também positivo. De acordo com os pesquisadores a paciente ficou sintomática durante 35 dias.

Publicidade

O grupo de Mendes-Correa juntamente com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) acompanharam cerca de 50 pacientes durante 6 semanas. Semanalmente eram coletadas amostras de urina, saliva, fezes, sangue e secreções nasofaríngea. 

Publicidade

Após os estudos foram constatados que o RNA do coronavírus permanece mais perceptível em amostras de saliva e secreções nasofaríngea. Em 18% dos voluntários, o teste de RT-PCR deu positivo nesses tipos de amostra por mais de 50 dias. Entre esses 18%, 6% se mantiveram transmissores.

Publicidade
Publicidade