in

Testemunha acusa padrasto de Henry de suposta agressão a outra criança e fala em ‘medo de retaliação’

Morte de Henry Borel foi registrada na madrugada do dia 8 de março; caso segue sob investigação.

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO / ARQUIVO PESSOAL MONIQUE ALMEIDA

Padrasto do menino Henry Borel Medeiros, de 4 anos, que morreu no último dia 8 de março, em um condomínio na Barra da Tijuca, no Rio, o vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (Solidariedade), foi acusado de uma suposta agressão a uma outra criança. A informação foi revelada pelo jornal “O Globo” nesta terça-feira (23).

Publicidade

Segundo o periódico, o delegado responsável pela investigação da morte de Henry, Henrique Damasceno, ouviu este relato de uma testemunha na madrugada de hoje, em depoimento. 

A testemunha que teve identidade preservada por conta das investigações do caso revelou que Dr. Jairinho praticava constantes agressões a uma criança que sofria com isso há oito anos. Ainda de acordo com o relato dela, a suposta violência só não foi denunciada por “medo de retaliações”.

Publicidade

Não se pronunciou

Dr. Jairinho foi procurado pelo jornal para se posicionar sobre esta grave acusação, mas não se pronunciou até o fechamento desta matéria.

Publicidade

Em entrevista que foi ao ar no último final de semana, no “Domingo Espetacular”, da Record TV, o parlamentar disse que tinha uma ótima relação com o menino Henry, e rechaçou a possibilidade de crime, seguindo a linha praticada pela companheira, Monique Medeiros, mãe da vítima, que chegou a se emocionar diversas vezes durante a conversa com o jornalista Roberto Cabrini. 

Publicidade

Divergências

Ao levarem o garoto para o pronto-socorro da unidade hospitalar Barra D´Or na madrugada do dia 8 de março, o casal relatou aos médicos que ouviu um barulho vindo do quarto onde Henry dormia e o encontrou gelado e sem respiração no chão do cômodo. Contudo, o relato do barulho não foi descrito no depoimento dado à Polícia Civil.

Além disso, as suspeitas de um possível crime se amplificaram após o resultado do exame de necropsia apontar a existência de várias lesões no corpo da criança de 4 anos. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade