in

Mãe e filha morrem por Covid-19 com intervalo de poucas horas: ‘enquanto enterrávamos minha mãe, ela morreu’

Filha morreu sem tomar conhecimento que a mãe não tinha resistido às complicações da doença.

G1

A pandemia do coronavírus vem culminando no registro de histórias comoventes de famílias que perderam seus entes queridos em curto espaço de tempo. Em Bragança Paulista, no interior de São Paulo, mãe e filha morreram pela Covid-19 em questão de horas de uma para outra.

Publicidade

Após ficarem internadas por mais de uma semana, Vivian Teixeira Bueno, de 38 anos, e a mãe dela, Marilene Silva Teixeira, de 62 anos, acabaram não resistindo às complicações da doença. A primeira a dar entrada no hospital foi a filha, que atuava como professora em uma escola municipal. Após apresentar os primeiros sintomas, ela foi levada à Santa Casa no dia 11 de março. 

Professora aposentada, Marilene foi diagnosticada com o vírus dois dias depois. Precisando de suporte de oxigênio, a paciente precisou ser levada até São Paulo, uma vez que todas as UTI-Covid do município de Bragança estavam lotadas.

Publicidade

Mãe e filha tiveram uma piora significativa de forma rápida e acabaram morrendo. Marilene veio a óbito no início da manhã deste domingo (21). Por volta das 16h, foi a vez de Vivian também não resistiu.

Publicidade

Abalo profundo

Quando perdeu a mãe, Vivian ainda estava consciente e sabia do estado delicado da mãe, por isso teve o smartphone recolhido para não tomar conhecimento da notícia. Durante o sepultamento de Marilene, a filha precisou ser intubada, mas teve uma parada cardiorrespiratória e morreu. 

Publicidade

Desolados com as perdas irreparáveis em um curto intervalo de tempo, a família das vítimas detalharam o drama vivenciado.

“Nós fomos pela manhã vê-la e pedir para contar, mas os médicos pediram para não falar porque ela (Vivian) estava muito abalada. Tiraram o celular dela, mas enquanto enterrávamos minha mãe ela precisou ser entubada, teve uma parada cardíaca e morreu. Quando chegamos do cemitério recebemos a notícia”, disse a irmã de Vivian, em entrevista ao portal G1.

Números

Com as mortes de Marilene e Vivian, Bragança Paulista chegou a 215 óbitos em decorrência da Covid-19 desde o início da pandemia. O índice de casos de infecção já se aproxima dos 10 mil.

Publicidade
Publicidade