in

Mãe de Henry nega crime e chora em desabafo; testemunhas serão ouvidas: ‘É impossível matar um filho’

Criança de 4 anos morreu no último dia 8 de março, e caso segue sob investigação.

Montagem: Record TV - Metrópoles

O caso de morte do menino Henry Borel ocorrido na madrugada do dia 8 de março, no Rio de Janeiro, vem comovendo o país nos últimos dias. Exames de necropsia apontaram lesões no corpo da criança de 4 anos, e o mistério acerca de seu óbito segue no ar, com a Polícia Civil investigando.

Publicidade

Neste domingo (21), a Record TV exibiu uma matéria sobre o caso conduzida pelo jornalista investigativo Roberto Cabrini, que entrevistou Monique Medeiros, mãe de Henry, Doutor Jairinho, vereador padrasto do garoto, e o pai da criança, Leniel Borel. 

Desabafo

Na conversa com Cabrini, Monique se mostrou bastante abalada e rechaçou a hipótese de crime contra a vida do próprio filho. “As mães que estão me assistindo sabem. É impossível matar um filho, isso não se faz”, disse Monique às lágrimas, alegando ainda que está sendo acusada de forma injusta. 

Publicidade

Jairinho, por sua vez, também descartou crime, e disse que tinha uma boa relação com Henry Borel. Segundo o pai da criança, o filho se queixava de Jairinho, um dos relatos era de que o vereador o abraçava muito forte. Leniel passeou com Henry na véspera do garoto morrer. Em vídeos das câmeras de segurança do condomínio, ele aparece entregando a criança para a ex-esposa. Nas imagens, Henry aparece alegre e sem nenhum ferimento.

Publicidade

No relato inicial, a mãe do menino disse aos médicos que o filho teria caído da cama. Na entrevista, ela contou que não se lembra o que disse, afirmando estar em estado de choque com o ocorrido. A causa da morte do menino foi por conta de hemorragias e laceração hepática causadas por uma ação contundente. Isto é, uma ação violenta causou lesões em diversas partes do corpo da criança.

Publicidade

Depoimentos podem ser decisivos

No último final de semana, a Polícia Civil intimou testemunhas para prestar depoimento sobre o caso nos próximos dias. Irão se apresentar para oitivas a emprega doméstica da família, uma babá de Henry, os médicos que fizeram o atendimento inicial no hospital particular e o legista que assinou o laudo de necropsia. 

A Polícia encontrou divergências nos depoimentos de Monique Medeiros e Jairinho, e dependendo das declarações destas testemunhas a serem ouvidas, o caso pode se aproximar de um desfecho. 

Publicidade