in

Auxílio Emergencial: como consultar se você receberá novos pagamentos do benefício em 2021

Volta do benefício foi oficializada nesta semana, após envio de Medida Provisória (MP) ao Congresso.

Marcello Casal Jr. - Agência Brasil

Depois de um cenário de incerteza e muitas indefinições, o Auxílio Emergencial teve o seu retorno oficializado nesta semana. Diante de uma forte pressão dos parlamentares e a situação ainda mais caótica na luta contra a pandemia, o governo federal cedeu e viabilizou o pagamento de mais quatro cotas do programa, que regressa com algumas mudanças. 

Publicidade

Além de um quantitativo menor de beneficiários, o Auxílio Emergencial 2021 terá valores inferiores aos praticados no ano passado. A cota mínima, que representa boa parte do índice de beneficiários, será de R$ 150. Famílias com duas pessoas ou mais receberão R$ 250, enquanto mães chefes de família terão direito a R$ 375. Os novos pagamentos serão iniciados no próximo mês. 

Como consultar?

De acordo com informações do Ministério da Cidadania repassadas nesta sexta-feira (19), os beneficiários poderão saber se vão receber as novas parcelas a partir do dia 1º de abril. A pasta informou que a elegibilidade do programa em 2021 ainda está sendo verificada pela Dataprev, e a estimativa é que a partir do primeiro dia do próximo mês, cada beneficiário possa verificar se será contemplado com a ajuda no Portal de Consultas da Dataprev. 

Publicidade

Na página, o beneficiário deverá preencher com os seus dados, como: nome completo, CPF, nome da mãe e data de nascimento. 

Publicidade

Vale lembrar que o Auxílio Emergencial 2021 não permite a realização de novos cadastros. Ou seja, só receberá as novas cotas quem terminou 2020 contemplado. Mais de 22 milhões de brasileiros que receberam parcelas no ano passado não serão atendidos nesta nova fase do programa, que deve abranger 45,6 milhões de famílias. 

Publicidade

“O auxílio emergencial 2021 será concedido ao trabalhador que estava recebendo, em dezembro de 2020 e que cumpra as regras publicadas na Medida Provisória 1039”, afirmou o Ministério da Cidadania.

Publicidade
Publicidade
Publicidade