in

Congresso Nacional se irrita e endurece críticas a Bolsonaro

Com o agravamento da pandemia de Covid-19 o Congresso Nacional deu um ultimato ao presidente.

Reprodução/Veja

O Congresso Nacional perdeu a paciência com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O Brasil se encontra no momento mais grave da pandemia de Covid-19 e por inúmeras vezes o Congresso Nacional vem emitindo recados e subindo o tom para o governo federal.

Publicidade

Os parlamentares através de diversos comunicados realizados por meio de interlocutores vem solicitando a Bolsonaro que haja uma mudança de postura por parte do poder Executivo. O desejo do Congresso Nacional é que haja uma verdadeira mudança no Ministério da Saúde e que medidas técnicas sejam tomadas, O mal-estar veio após o presidente declarar que é necessário separar os doentes internados em leitos de UTI, pois parece que no Brasil as pessoas só morrem de Covid-19.

Outro ponto criticado pelos parlamentares foi a live realizada pelo presidente na noite de quinta-feira (18). Em sua transmissão ao vivo, Bolsonaro voltou a defender o tratamento precoce contra a Covid-19, criticou as medidas de restrições adotadas por governadores e prefeitos e ainda elogiou à gestão realizada no Ministério da Saúde por Eduardo Pazuello.

Publicidade

De acordo com o vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), todo mundo já perdeu a paciência, os parlamentares não estão suportando ver o Brasil chegar a média de 3000 óbitos diários por Covid-19. Para Marcelo Ramos é necessário que o presidente entenda que nesse momento o Brasil precisa de um líder forte, que unifique a Federação e não a divida como Bolsonaro vem fazendo.

Publicidade

Marcelo também criticou as declarações de Bolsonaro reclamando dos lockdowns realizados pelos governadores dos estados.

Publicidade

“Claro que o isolamento social não vai impedir a doença, mas é uma medida preventiva para evitar a superlotação de hospitais até que a gente tenha um índice de vacinação que imunize e nos devolva a normalidade”, declarou o deputado Marcelo Ramos.

Publicidade