in

Profissional de saúde que atendeu paciente idoso que morreu no chão de UPA faz desabafo: ‘Situação traumática’

Tentativas de reanimação do paciente foram executadas no solo de UPA em Teresina.

UOL

Um caso ocorrido em uma UPA situada em Teresina chocou os brasileiros e evidenciou o caos vivenciado no sistema de saúde nacional. Um idoso deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento do bairro de Promorar com um quadro de parada cardiorrespiratória, e diante da falta de leitos, foi atendido de forma inicial no chão do local.

Publicidade

A cena impactou a todos que estavam na unidade e viralizou nas redes sociais. Depois de toda a movimentação com a execução de protocolos para reanimação, o idoso acabou não resistindo. 

Em entrevista ao portal G1, a técnica em enfermagem Polyena Silveira, que integrou a equipe responsável por atender o idoso, trouxe um desabafo de toda a situação vivida nos últimos meses na unidade por conta da pandemia do coronavírus. Segundo ela, os doentes e familiares esperam pessoas morrerem para obter vaga nos hospitais da capital piauiense. 

Publicidade

“Estamos sofrendo junto com a família daqueles pacientes que ficam lá fora esperando uma alta, uma transferência ou até mesmo um óbito para poder ocupar o lugar. É difícil”, desabafou Polyena. 

Publicidade

Ainda segundo a técnica em enfermagem, quando o idoso chegou na unidade com uma parada cardíaca, não havia leito, monitor e nem ventilador mecânico. 

Publicidade

“Fizemos mais de seis ciclos de reanimação cardiopulmonar e infelizmente não conseguimos trazer o paciente de volta. A gente está numa situação traumática”, desabafou a profissional de saúde.

Em oito anos trabalhando na função, Polyena que também atua no Hospital de Urgência de Teresina (HUT) afirmou nunca ter passado uma situação parecida. 

Longa espera

De acordo com dados da Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi), 152 pessoas infectadas pela Covid-19 estão aguardando leitos serem desocupados no estado. Boa parte deste quantitativo se concentra na capital Teresina: são 82 pacientes na fila. 

Publicidade
Publicidade