in

Perícia traz fortes revelações sobre morte de grávida que teve bebê arrancado da barriga: ‘golpes no coração’

Caso macabro está sendo investigado pelas autoridades; suspeita foi transferida para uma penitenciária na tarde de ontem (18).

REPRODUÇÃO: TERCEIRA VIA / O GLOBO - FOTOMONTAGEM POR VIEIRA FILHO

O caso de morte da jovem Pâmela Ferreira Andrade Martins, de 21 anos, gerou forte comoção nacional nas últimas horas. Grávida de oito meses, ela foi brutalmente assassinada na última quarta-feira (17), e teve o bebê retirado da barriga. O caso se deu em Macaé, no Rio de Janeiro, e a suspeita do crime bárbaro foi presa horas depois.

Publicidade

O laudo preliminar do exame de necropsia da vítima divulgado nesta sexta-feira (19) apontou que a causa da morte da jovem foi por conta de uma hemorragia torácica, provocada por perfuração cardíaca por “golpes sofridos no coração”. Segundo informações da Polícia Técnica, um estilete foi encontrado na bolsa da suspeita.

O bebê, que já chegou sem vida à UPA de Barra de Macaé, morreu por asfixia. De acordo com o exame, a criança sobreviveu por poucos segundos e morreu após broncoaspirar líquido amniótico. 

Publicidade

Suspeita transferida 

Presa horas depois do crime, tendo levado a criança para uma UPA, a suspeita identificada como Priscilla Torquato da Silva, de 21 anos, foi transferida na tarde de ontem (18) para o Presídio Feminino Nilza da Silva Santos, situado em Campo dos Goytacazes. Ela realizou exames no Instituto Médico Legal (IML) e chegou a ficar por alguns instantes no mesmo ambiente que estavam os familiares de Pâmela.

Publicidade

Os sepultamentos da mãe e filho estão previstos para acontecer nesta sexta-feira (19), na cidade de Carapebus, que fica vizinha de Macaé.

Publicidade

Segundo familiares, Pâmela conheceu a suspeita do crime nas redes sociais recentemente e iniciaram uma amizade. Em depoimento, Priscilla Torquato deu uma versão diferente, alegando conhecer a vítima desde os tempos de escola. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade