in

Mãe e filha morrem vítimas da Covid-19 com intervalo de apenas um dia; família desabafa: ‘Foi muito triste’

Filha acabou contraindo o vírus ao cuidar da mãe infectada e morreu primeiro do que ela.

UOL

A pandemia do coronavírus devastou uma família residente na cidade de Primavera do Leste, no Mato Grosso. Em um curto intervalo de pouco mais de 24h, mãe e filha morreram vítima de complicações decorrentes da Covid-19. Após contraírem a doença, a cozinheira Juraci Gonçalves dos Santos, de 47 anos, e a filha, a vendedora Clayane dos Santos Velozo, de 27 anos, não resistiram e entraram para a estatística do vírus. 

Publicidade

De acordo com informações de familiares, a mãe foi a primeira a ser infectada pela doença, tendo sintomas como cansaço e falta de ar na segunda metade de fevereiro. Poucos dias depois, foi a vez da filha começar a apresentar sintomas. A família acredita que Clayane tendo sido infectada enquanto cuidava da mãe.

Inicialmente, Juraci e a filha foram medicadas em casa por não apresentarem sintomas mais graves da Covid-19. Contudo, diante das incessantes crises de falta de ar, a cozinheira foi internada na UPA do município. Com a piora no quadro clínico, ela foi transferida para a UTI do Hospital e Maternidade São Paulo, sendo intubada. 

Publicidade

Uma semana depois da internação da mãe, Clayane também apresentou uma piora nos sintomas e teve que hospitalizada. No dia 1 de março, a situação da jovem piorou e ela foi encaminhada para a UTI de uma unidade hospitalar na capital Cuiabá. A vendedora acabou não resistindo às complicações da Covid-19 e morreu na manhã do domingo (7).

Publicidade

Sentimento desolador

Publicidade

Em um intervalo de pouco mais de 24 horas, a mãe dela também não suportou a doença e veio a óbito, deixando familiares desolados com a perda. 

“Foi muito triste para toda a família. Todos ficamos muito desestabilizados, e agora estamos aqui rezando para que essa dor diminua. Tivemos duas perdas muito dolorosas em um espaço de tempo curto. Não deu tempo nem de curar uma dor e já veio outra”, afirmou Clarice de Lima, irmã de Juraci e tia da jovem Clayane.

Publicidade
Publicidade