in

‘Dói demais ver as crianças morrendo sem poder ver os pais’, relata pediatra que atua no combate à Covid

Pediatra que atua na rotina em UTI destinada a Covid-19 relata a dura rotina no combate ao vírus.

G1/montagem

A pandemia do coronavírus se tornou o grande pesadelo da sociedade atual. Infelizmente, muitas mortes em virtude do vírus estão comovendo a sociedade, principalmente as pessoas que lidam diretamente com a situação todos os dias, que são os profissionais de saúde. Uma pediatra que atua na linha de frente na luta contra a Covid-19 comoveu com um desabafo.

Publicidade

A médica trabalha em pacientes pequenos contou que precisa respirar fundo todos os dias e costuma meditar toda manhã enquanto se prepara para o seu plantão dentro da UTI Infantil Albert Sabin, que fica em Fortaleza, no Ceará. No local a pediatra precisa lidar com bebezinhos, crianças e adolescente que foram infectados com o vírus e travam uma árdua batalha pela vida sem sequer poder segurar a mão dos pais em um momento tão delicado e difícil.

A pediatra Cinara Carneiro disse que procura acolher os pequenos pacientes, porém não consegue nem dar um sorriso devido à máscara de proteção. Portanto, o acolhimento e carinho precisam ser passados através do tom de voz, olhar e o toque. Pacientes infectados com a Covid-19 não recebem visita e a medida foi tomada desde o começo da pandemia por causa do duro cenário de descontrole da doença.

Publicidade

Durante uma entrevista concedida, a médica relatou que o paciente chega lúcido a unidade, mas acaba piorando e precisando ser entubado. Muitos morrem e os pais não podem acompanhar de perto todo o processo. Ela disse que casos mais graves em crianças são raros, mas apesar de ser minoria existe situações em que a morte acaba ocorrendo.

Publicidade

“Dói ver uma criança morrendo sem ver os pais. Fica muita coisa não trabalhada no luto desses familiares… Por mais que a gente tente explicar por telefone, muita coisa não está sendo vista e vivida”, desabafou a pediatra. Sem a presença da família, fica a missão difícil para os profissionais de saúde ter que acalmar e acolher os pequenos pacientes que sentem medo.

Publicidade

Publicidade
Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.