in

Professora morre de Covid-19 em Curitiba; marido não resiste e morre no dia seguinte

Caso é mais uma das tantas histórias tristes envolvendo a pandemia de Covid no Brasil.

Arquivo pessoal Laordo de Antônio

Os casos de Covid-19 estão descontrolados no Brasil e o país já ultrapassou a marca de 260 mil óbitos em decorrência da doença causada pelo coronavírus. No mundo, o Brasil é o segundo colocado em número de mortes, atrás apenas dos Estados Unidos, que bateu a marca de meio milhão de óbitos.

Publicidade

Mais do que números, há rostos e histórias por trás das mortes causadas pela doença que se disseminou através da China, entre o fim de 2019 e começo de 2020, e chegou a todo o planeta. Mais de 2,5 milhões de pessoas já perderam a batalha contra a Covid-19.

Em Curitiba, a professora Noemia Martis Coimbra, de 41 anos, morreu por complicações causadas pela Covid na segunda-feira (1º). A profissional de educação trabalhava na cidade de Rio Branco do Sul, Região Metropolitana de Curitiba. Ela não fazia parte do grupo de risco para a doença.

Publicidade

Internada no Hospital Santa Casa, em Curitiba, a professora não resistiu e morreu. A prefeita de Rio Branco do Sul, Karime Fayad, postou mensagem de solidariedade nas redes sociais e afirmou que Noemia era delicada, criativa e amava a profissão. O que já era triste ficou ainda pior.

Publicidade

No dia seguinte, o marido de Noemia, o cobrador de ônibus Laordo de Antônio Ribeiro, de 48 anos, também não resistiu à Covid-19 e faleceu. O homem estava internado no Hospital de Reabilitação Cabral, em Curitiba. O casal morava na cidade de Itaperuçu, Região Metropolitana da capital do Paraná. Noemia e Laordo deixaram uma filha de apenas 12 anos. Muitos filhos perderam os pais nesta pandemia.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!