in

Último áudio de vítima da Covid-19 é revelado em campanha e gera forte comoção e impacto: ‘Não tenho ar’

Trecho com um áudio de uma vítima do coronavírus tem sido veiculado em campanha para alertar riscos da doença.

Reprodução

A pandemia do coronavírus segue assolando a população brasileira em larga escala. O início de 2021 tem sido tão complicado como as fases mais delicadas no combate à doença. Em Goiás, o governo do estado resolveu utilizar um áudio comovente de um paciente, vítima da Covid-19, para tentar conscientizar e alertar a população da importância do isolamento social e da aplicação das práticas de prevenção contra o coronavírus.

Publicidade

No áudio revelado, o taxista Sandro Adrésio, de 51 anos, aparece ofegante e com dificuldades para respirar.

“Eu não tenho… Não tenho ar… Sinto muito… A falta de ar… Tô passando momentos difíceis. Conto com a ajuda aí de vocês. Com um milagre de Deus. O meu caso não evolui”, desabafou Sandro, pouco antes de se tornar mais uma vítima do coronavírus. O sintoma de falta de ar é um dos mais comuns em casos mais graves da Covid-19.  

Publicidade

Lotação

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde de Goiás (Ses-GO), o estado chegou a computar 96,31% de ocupação dos leitos de UTI para atender pacientes com Covid-19. Ao todo, o estado do Centro-Oeste dispõe de 407 leitos. 

Publicidade

O painel da pasta evidencia que apenas 15 leitos de UTI estão disponíveis no momento. Nove estão bloqueados, enquanto outros 383 estão ocupados. Referência no combate ao coronavírus, o Hospital de Campanha de Goiânia (HCamp) está totalmente lotado, sem dispor de vagas para pacientes na UTI.

Publicidade

Na campanha com o áudio de Sandro, o governo alerta: “Ou você escuta que a Covid-19 mata ou quem vai escutar é a sua família. Evite aglomerações. Use máscara e álcool em gel”, diz um trecho da campanha, que está sendo veiculada.

Em solo nacional, a pandemia do coronavírus já vitimou mais de 250 mil pessoas, e já registrou mais de 10 milhões de infecções. O número de vacinados ainda é inferior ao quantitativo de casos.

Publicidade
Publicidade