in

Médico que aplicou anestesias em menino que morreu no AM recebe primeira punição; caso gerou forte comoção

Caso segue sob investigação e polícia está colhendo os depoimentos para apurar morte do menino de 6 anos.

Metrópoles

A morte do pequeno Saimon Gabriel Freitas Neri, de 6 anos, ocorrida em Manicoré (AM), na última semana comoveu o país e deixou familiares abalados e revoltados. Internado no Hospital D. Hamilton Cidade, o garoto morreu após receber quatro anestesias que foram aplicadas antes dele ter o braço fraturado em um acidente enfaixado.

Publicidade

A possível superdosagem do medicamento foi acompanhada pela mãe, que viu o garoto perder os sinais vitais, até ser levado para a intubação. Responsável por aplicar as anestesias na criança, o médico Samir Mamede foi afastado de suas atividades na unidade hospitalar. A prefeitura do município já abriu investigação para apurar a morte de Saimon.

Em entrevista ao portal UOL, a mãe da criança, Sandy Freita Pantoja, classificou como positivo o afastamento do médico responsável, mas foi enfática ao acusar o profissional de negligência. 

Publicidade

“Ele foi afastado do hospital e isso é um começo. Mas ainda pode exercer a profissão. Com quantas famílias mais esse homem vai acabar? Eu só quero justiça pela morte do meu filho”, desabafou Sandy.

Publicidade

Na última sexta-feira (26), ela e o marido, Jailson Meireles, prestaram depoimento na delegacia do município, que segue realizando as oitivas das testemunhas. 

Publicidade

O caso

Saimon deu entrada no Hospital Dr. Hamilton Cidade após ter fraturado o braço em um acidente de moto com o pai. Após dois dias na unidade, ele foi levado para enfaixar o membro. Sentindo fortes dores e agitado, o garoto teria recebido três doses de anestesia no local da fratura, e como continuou apresentando dores e um comportamento agitado, recebeu uma anestesia geral.

Contudo, pouco depois, ele começou a perder os sinais vitais. A mãe dele acompanhou todo o processo de aplicação das anestesias, tentou acalmá-lo, mas viu praticamente o filho morrer perante aos seus olhos. 

Uma comissão foi instaurada para analisar a conduta do médico da unidade hospitalar Dr. Hamilton Cidade.

Publicidade
Publicidade