in

Advogado da mãe de Isis Helena esperava reviravolta no caso: ‘Poderia ser inocentada’

William Cesar Pinto de Oliveira acreditava que Jennifer poderia ser considerada inocente no júri popular.

Reprodução / EPTV

Protagonista de um caso que chocou o Brasil em 2020, Jennifer Natalia Pedro foi encontrada morta em sua cela na Penitenciária de Tremembé (SP) na última segunda-feira (22/02) por volta das 15h. Jennifer estava na Penitenciária Santa Maria Eufrásia por confessar o assassinato da própria filha, Ísis Helena, de apenas um ano e dez meses.

Publicidade

Jennifer estava em Tremembé desde abril de 2020, quando confessou o crime. A unidade Santa Maria Eufrásia é conhecida nacionalmente por abrigar presas de casos com grande repercussão e comoção, como Elize Matsunaga e Suzane von Richthofen.

Advogado acreditava em reviravolta no caso

O advogado de Jennifer, em entrevista ao portal UOL nesta quarta-feira (24/02), disse que acreditava em uma reviravolta no julgamento do caso. William Cesar Pinto de Oliveira afirmou que a acusação de assassinato poderia ser retirada, já que a morte do bebê foi acidental. 

Publicidade

No entanto, por mais que o Willian acredite que sua cliente poderia ser inocentada pela morte de Ísis Helena, ele também tem a consciência de que a ré seria condenada de qualquer maneira pela ocultação do cadáver da filha, já que a própria Jennifer confessou que enterrou o bebê.

Publicidade

Relembre o caso

Nascida prematuramente e com microcefalia, Ísis Helena tomava remédios controlados. O bebê foi considerado desaparecido em março de 2020, quando Jennifer acionou a polícia para dizer que deixou Ísis com o avô e, quando retornou, encontrou a casa aberta e nenhum vestígio do bebê.

Publicidade

Antes do caso, Jennifer já teria sido denunciada para o Conselho Tutelar, por conta de maus tratos e, por isso, a polícia passou a investigar se a própria mãe teria participação no desaparecimento da filha.

Jennifer acabou por confessar o crime e disse inicialmente que a filha estava doente, então lhe deu uma mamadeira com remédio e a deixou dormir com a barriga para cima. No dia seguinte, ela teria encontrado Ísis Helena asfixiada com o leite. Após constatar a morte da criança, Jennifer jogou o corpo do bebê em um rio. Alguns dias depois, a mãe mudou esta versão e contou à polícia o local em que enterrou o corpo da filha, que foi encontrado em abril.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Jean Marangoni

Influenciador digital responsável pelas páginas 'Mussum Sinceris' nas redes sociais, trabalho também com jornalismo online há 3 anos. Para sugestões entre em contato: jeanmarangoni@gmail.com