in

Gêmeas e quatro médicos são exonerados, suspeitos de roubar fila de vacinação contra Covid-19 em Manaus

Entre as seis pessoas exoneradas, estava as gêmeas Isabelle e Gabrielle Lins, herdeiras do hospital Nilton Lins.

Roberta Aline

Na última sexta-feira, 12, a Prefeitura de Manaus exonerou seis pessoas investigadas por terem furado a filha de vacinação contra a Covid-19. Entre estas seis pessoas, estavam as gêmeas Gabrielle e Isabelle Lins, que foram vacinadas contra a doença apenas alguns dias após terem sido nomeadas gerentes de projetos da Semsa (Secretaria Municipal de Saúde de Manaus).

Publicidade

Os outros quatro teriam sido exonerados, porque não atuam na linha de frente do enfrentamento da pandemia. As exonerações, inclusive, já foram divulgadas no Diário Oficial do Município.

De acordo com informações do site Imuniza Manaus, as gêmeas receberam a segunda dose do imunizante quatro dias após o pedido de exoneração de seus cargos. O caso de Gabrielle e Isabelle repercutiu, porque as irmãs são herdeiras de um grupo empresarial dono do Hospital Nilton Lins, que foi alugado duas vezes pelo governo para que funcionasse como hospital de campanha para pacientes infectados com o coronavírus.

Publicidade

Além das gêmeas, diante de um pedido, também foram exonerados os médicos Carla Angelina Lima Ribeiro, Alessandro Silva Pontes, David Louis de Oliveira Dallas Dias (filho deputado de Amazonas, Wanderley Dallas) e Gabriela Pereira de Aguiar.

Publicidade

A equipe de reportagem do Estadão tentou contato com todos os profissionais exonerados, contudo, só teve retorno da advogada das irmãs.

Publicidade

Em uma nota oficial, a defensora das gêmeas afirma que Isabelle e Gabrielle estavam atuando na linha de frente de combate à Covid-19 e optaram por consignar em juízo a integridade dos valores que foram recebidos por ambas.

Publicidade
Publicidade
Publicidade