in

Morre mulher que teve reação alérgica grave após pintar cabelo; familiares ficam desolados e caso comove

Karine estava internada na UTI de Catalão (GO) desde a última quarta-feira (10), quando passou mal enquanto pintava o cabelo em salão.

G1

Internada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na Santa Casa de Catalão (GO), a paciente Karine de Oliveira Souza, teve morte cerebral decretada na madrugada deste sábado (13). A mulher de 34 anos estava internada por apresentar uma reação alérgica grave após pintar o cabelo em um salão de beleza do município goiano. 

Publicidade

A auxiliar administrativa tinha dado entrada na unidade hospitalar na última quarta-feira (10), quando passou mal em um salão de beleza. De acordo com a profissional que atendeu a vítima, Karine teve uma reação alérgica segundos após a aplicação da tinta. 

Segundo informações repassadas pela Santa Casa de Catalão, a mulher teve um choque anafilático. No último boletim divulgado antes da confirmação do óbito, a paciente tinha estado de saúde considerado como gravíssimo. Ainda de acordo com a unidade hospitalar, os órgãos da vítima serão doados. 

Publicidade

“Estão aguardando estabilizar pressão e temperatura para abrir o protocolo de captação de órgãos”, disse a assessoria do hospital ao G1.

Publicidade

A família e amigos da vítima estão desolados com a perda repentina de Karine. 

Publicidade

Desespero

Após passar mal, Karine chegou a ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros ainda no salão de beleza, e foi encaminhada prontamente para o pronto-socorro da Santa Casa do município. 

Em entrevista à TV Anhanguera, afiliada da TV Globo em Goiás, a cabeleireira que atendeu a vítima afirmou que ela era cliente do salão, contudo, nunca havia pintado o cabelo no local. 

Segundo a profissional, Karine começou a sentir formigamento nas mãos e pediu para que o produto fosse retirado. Na sequência, ela apresentou falta de ar, e os socorristas foram acionados. 

Acionada, uma equipe do Corpo de Bombeiros, relatou que Karine tinha quadro de parada cardiorrespiratória, e estava inconsciente. Reanimada, ela foi conduzida para o pronto-socorro, mas acabou não resistindo dois dias depois.

Publicidade
Publicidade