in

Auxílio Emergencial: quando volta prorrogação e número de parcelas; Bolsonaro traz revelações sobre benefício

Presidente da República mudou posicionamento drasticamente sobre o benefício nos últimos dias.

Agência Brasil - Caixa

Questão de tempo. É assim que pode ser definida a volta do Auxílio Emergencial. Depois de se mostrar contrário a uma possível retomada do benefício, Jair Bolsonaro (sem partido) mudou seu discurso e está prestes a oficializar mais uma prorrogação da ajuda; que no ano passado contemplou 68 milhões de brasileiros.

Publicidade

Presente em um evento na cidade de Alcântara, no Maranhão, nesta quinta-feira (11), o presidente Jair Bolsonaro falou sobre o debate da volta do programa e sinalizou que a oficialização está bem próxima de ser efetivada.

Sem revelar valor e quantitativo de beneficiários que serão atendidos, o chefe do Executivo disse que é bem provável que o programa volte a partir de março, oscilando entre três a quatro cotas. “Está quase certo, ainda não sabemos o valor. Com toda a certeza, a partir… com toda a certeza, pode não ser, a partir de março. Três a quatro meses, está sendo acertado com o Executivo e o Parlamento também, porque temos que ter responsabilidade fiscal”, afirmou Bolsonaro.

Publicidade

No ano passado, o Governo Federal pagou cinco parcelas com o valor de R$ 600, e outras quatro com valor reduzido em 50%.

Publicidade

Possíveis valores do Auxílio Emergencial

Nesta nova proposta do Auxílio Emergencial, é bem provável que o governo reduza as cifras pagas em cada parcela, bem como diminua o índice de brasileiros que serão contemplados. Especula-se que as parcelas fiquem em R$ 200, e que o quantitativo de beneficiários seja reduzido em até 50%. Sendo assim, somente 32 milhões de brasileiros receberiam a nova rodada de pagamentos do programa. 

Publicidade

A mudança de postura do governo foi motivada após intensa pressão do Congresso Nacional. Nas últimas semanas, inúmeros projetos de lei foram protocolados, pedindo a renovação do benefício. Se oficializado pelo governo, a proposta ainda dependerá de aprovação dos parlamentares na Casa. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade