in

Bolsonaro traz nova informação sobre volta do Auxílio Emergencial e anima brasileiros: ‘Mais alguns meses’

Benefício teve calendário de pagamentos residuais concluído na última semana de janeiro.

Agência Brasil - Caixa

A volta do Auxílio Emergencial parece se tornar cada vez mais uma realidade, e milhares de brasileiros aguardam com grande expectativa a oficialização por parte do Governo Federal. Inicialmente contra uma nova rodada de pagamentos do benefício, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vem mudando o seu discurso sobre o assunto após a forte pressão dos parlamentares.

Publicidade

Presente em uma cerimônia para a entrega de títulos de propriedade na cidade de Alcântara, no Maranhão, nesta quinta-feira (11), o chefe do Executivo voltou a falar sobre o debate para a retomada do Auxílio Emergencial. Segundo o presidente, o benefício não pode ser eterno, mas disse que há uma discussão para viabilizar novos pagamentos do programa por alguns meses

“No momento, a nossa equipe, juntamente com parlamentares, estuda a extensão, por mais alguns meses, do Auxílio Emergencial. E, repito, o nome é emergencial. Não pode ser eterno, porque isso representa um endividamento muito grande ao nosso país”, disse o chefe do Executivo. 

Publicidade

Proposta do governo Bolsonaro

Discutindo uma prorrogação do benefício, a equipe econômica liderada pelo ministro Paulo Guedes, estuda três pagamentos adicionais do programa no valor de R$ 200 cada cota. O responsável pela pasta prevê um gasto de aproximadamente R$ 20 bilhões esta nova extensão do programa, que inclusive pode ser rebatizado. 

Publicidade

Pressão para volta do Auxílio Emergencial

Logo após o término dos pagamentos regulares do Auxílio Emergencial, diversos parlamentares começaram a apresentar projetos de lei, solicitando a volta do programa tendo como justificativa o cenário delicado por conta da pandemia do coronavírus. Recém-eleitos à presidência da Câmara e Senador, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) sinalizavam desde a campanha pelo pleito o desejo de esticar o benefício, e agora se movimentam para convencer a equipe econômica. 

Publicidade
Publicidade